'CALA boca GALVÃO' e se a campanha o calasse?

"Eu com certeza estou nessa campanha", riu amarelo Galvão Bueno, ao ser entrevistado na Globo, semana passada, para comentar a maior piada interna da história do Brasil. A já clássica frase "Cala Boca Galvão" começou a ser twittada por brasileiros logo que as transmissões dos jogos da Copa do Mundo tiveram início e, como acontece no Twitter, quando um termo é muito repetido por vários usuários da rede, ele foi parar na lista dos "trending topics" ? os assuntos mais quentes da hora.

Alexandre Matias, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2010 | 00h00

Só que não foi só por uma hora. Nem por um dia. Nem só nos "trending topics" de assuntos brasileiros. Por vários dias consecutivos, a frase ? em letras maiúsculas e sem acento ? ficou em destaque na lista dos assuntos mais importantes da rede social. Tudo por causa de uma piada, que o jornal The New York Times chamou de "uma das pegadinhas mais bem-sucedidas da história da internet".

Pois logo que o termo apareceu na rede, quem não sabia português ficou perdido querendo saber que novidade era aquela. Foi quando o humor dos brasileiros se mostrou sagaz e infame, como de praxe. Começaram a explicar que "Galvão" era um pássaro em extinção (pois tradutores online transformavam "Galvão" em "gavião"), que poderia ser salvo via Twitter. Cada vez que a frase era escrita, teoricamente 10 centavos de dólar eram depositados na conta de um certo Instituto Galvão. A campanha, de mentira, logo ganhou cartaz e comercial ? tudo em inglês para enganar não brasileiros.

A brincadeira cresceu tanto que logo povoou a mídia ? e jornais como o Times americano e o espanhol El País explicaram a piada para seus leitores. E uma faixa com a frase foi estendida na torcida do primeiro jogo do Brasil na Copa.

Até que não deu para Galvão fingir que não era com ele ? e deu uma entrevista para a Globo, na terça passada, rindo sem graça da campanha de mentira. Disse que apoiava a brincadeira e começou a falar que era conhecido como "papagaio" no círculo da Fórmula 1, falou de Ayrton Senna e enrolou mais um tanto. Mas não calou a boca.

Muitos brasileiros comemoraram a piada como se fosse um grande trunfo nacional. Claro que não é ? toda a campanha para salvar os pobres "galvões" é só uma das inúmeras brincadeiras que começaram na web brasileira e atingiram a mídia tradicional e, finalmente, a rua.

Não dá para comemorar só isso. Como brincadeira, "Cala Boca Galvão" é genialmente cara de pau. Como campanha, é só um trote. Só seria bem-sucedida se realmente calasse Galvão. Sigo na torcida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.