Cai o presidente da Biblioteca Nacional

O bibliófilo, livreiro, editor e empresário Pedro Correa do Lago não é mais o presidente da Fundação Biblioteca Nacional (FBN). Ele pediu demissão do cargo e o ministro Gilberto Gil aceitou hoje o pedido.Segundo o bibliófilo, sua saída ?já estava combinada? e deve-se a um desejo de retomar suas outras atividades, em especial a edição do catálogo geral da obra do pintor Frans Post. Ele negou que sua saída tenha relação com acusações de má gestão, improbidade e irregularidades na condução da biblioteca, que estão sendo investigadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Há também uma investigação, correndo sob segredo de Justiça, a respeito de furto de fotos raras do acervo da biblioteca. ?A questão das acusações são processos internos normais?, afirmou. Segundo Correa do Lago, o contingenciamento de cerca de 60% do orçamento da fundação, a situação funcional do quadro de servidores, que não têm reajuste há 12 anos, e a dificuldade de conseguir recursos novos até o final do ano também foram motivadores de sua saída.Gil, em nota, disse lamentar a saída do colaborador, que esteve com ele durante 3 anos e teria inovado na gestão da biblioteca. A acusação de improbidade feita pelo Ministério Público diz respeito à edição da revista Nossa História, lançada pela FBN, e envolve ainda a editora Vera Cruz e a Fundação Miguel de Cervantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.