Caetano Veloso recebe Grammy pelo conjunto da obra

Os 70 anos de Caetano Veloso já foram festejados com um CD tributo, com regravações de 16 músicas suas (por Jorge Drexler, Tulipa Ruiz, Céu, Beck...) E com um site comemorativo, com toda sua discografia (áudios, encarte e letras), desenvolvido por sua gravadora, a Universal. Nesta quarta-feira, a festa será norte-americana. Ou melhor, latina.

AE, Agência Estado

14 de novembro de 2012 | 11h25

Pelo conjunto de sua obra de cinco décadas, Caetano foi escolhido a personalidade do ano da edição 2012 do Grammy Latino, realizada em Las Vegas. O único brasileiro que o antecedeu na honraria (ano passado concedida à pop star colombiana Shakira) foi o amigo Gilberto Gil, isso em 2003.

O Brasil, que nunca deu muita bola para o Grammy, não vai assistir quando o compositor baiano for o centro de uma gala pré-cerimônia nesta quarta, fechada a câmeras, durante a qual ele será reverenciado - a premiação oficial acontece na quinta-feira. Artistas de diferentes estilos e procedências, como Natalie Cole, Nelly Furtado, Juan Luís Guerra, Juanes e Enrique Bunbury vão cantar seu repertório - as músicas não foram divulgadas, para manter o espírito de surpresa ao homenageado.

Maria Gadú, Seu Jorge e Alexandre Pires formam a turma brasileira, desfalcada de última hora por Ivete Sangalo, que quebrou um osso do pé e desertou. Caetano fechará a festa no centro do palco, com "Não Identificado" - a preferida de seus pais.

Na quinta-feira, o TNT transmite ao vivo, a partir das 23 horas, a cerimônia do Grammy Latino, da qual ele também vai participar. Com o músico cubano Arturo Sandoval, vai de "Odara" e a canção porto-riquenha "Capullito de Aleli", do CD em língua espanhola "Fina Estampa" (1994).

O Grammy Latino tem 13 anos. O Grammy original - mais prestigiosa premiação da indústria da música -, 54. Caetano possui oito gramofones dourados do primeiro tipo e dois do segundo. Nessa edição do Latino, concorre em quatro categorias.

Milton Nascimento, outro septuagenário de 2012, e Toquinho também serão laureados. Com outros artistas da região, receberão da Academia Latina de Gravação o Prêmio à Excelência Musical, em cerimônia nesta quarta também, sem exibição pela TV. As escolhas saem de uma votação entre os integrantes da direção da Academia.

Disputa brasileira - Chico Buarque x Michel Teló; CPM 22 x Ira! e Ultraje a Rigor; Gaby Amarantos x Dominguinhos. São alguns dos embates nas categorias dedicadas ao Brasil pelo Grammy Latino (são 7 categorias, de 40). A de melhor canção é a mais eclética: "Querido Diário", de Chico, concorre com "Ai Se Eu te Pego", "Amor É Pra Quem Ama" (gravada por Lenine), "Ainda Bem" (por Marisa Monte) e "A Doida" (por Seu Jorge). Serão premiados CDs de rock, samba/pagode, MPB, sertanejo e "de raiz" (Gaby, Dominguinhos, Daniela Mercury, Jammil e Oswaldinho do Acordeon estão nessa disputa). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
músicaGrammy Latino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.