Cada emissora de TV quer ter a sua simbologia etária

É uma das sugestões apresentadas pelas redes para o Ministério da Justiça

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 12h01

Entre as sugestões que as emissoras de TV apresentaram ao Ministério da Justiça para mudar os termos da portaria 264, para fins de classificação indicativa de TV, está até a troca dos símbolos criados para indicar, na tela, as faixas etárias a que se destina cada programa. Em vez de adotar símbolos padrão, cada emissora quer ter o direito de criar seu próprio símbolo. Os defensores da classificação argumentam que isso não seria política pública, e sim particular. E a falta de símbolos padrão só confundiria o telespectador. É como se o consumidor tivesse de identificar, a cada remédio que compra, a tarja criada por cada laboratório. A propósito da portaria 264, o Ministério da Justiça abriga na quarta-feira, 20, o primeiro encontro entre defensores e contestadores da nova classificação indicativa. Aliás, primeiro encontro desde que o ministro Tarso Genro resolveu ceder à pressão das emissoras para adiar a portaria, porque o debate não é inédito, mas vem agora com novos argumentos de ambas as partes. A vinculação de horários e faixas etárias continua sendo o maior ponto de discórdia entre os dois lados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.