Reprodução/Canal Universal
O ator Caco Ciocler. Reprodução/Canal Universal

Caco Ciocler cria ‘Lista Fortes’ para exaltar empresas que fizerem doações para combater coronavírus

Ator abre mão de cachê para promover empresários que ajudarem na luta contra pandemia; entenda

Camila Tuchlinski, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2020 | 10h21

Caco Ciocler dediciu abrir mão do cachê para divulgar empresas que destinarem parte significativa dos lucros obtidos em 2019 para o combate ao novo coronavírus no Brasil. O ator, que interpretou o médico Paulo na série Unidade Básica, do canal Universal, em 2016, gravou um vídeo em que se compromete a promover as marcas que entraram para a chamada ‘Lista Fortes’.

“Eu, Caco Ciocler, me comprometo a disponibilizar minhas redes sociais para divulgar toda e qualquer marca que aceitar investir parte significativa do seu lucro do ano passado para alguma ajuda social de impacto para esse momento de dificuldade que enfrentamos. E você, topa?”, afirmou.

Caco já havia gravado uma declaração convocando os grandes empresários a fazer a doação para construção de hospitais, aquisição de equipamentos como respiradores e máscaras aos médicos, ou envio de cestas básicas para quem necessita, e a constituírem a ‘Lista Fortes’, nome dado ao movimento, em uma alusão a chamada ‘Lista Forbes’. Internautas estão comentando com a hashtag #ListaFortes.

O ator também convidou artistas e influenciadores digitais que o seguem a fazer o mesmo: dar visibilidade para as empresas que estão colaborando no combate ao novo coronavírus.

“Agora, vou chamar a responsabilidade para nós. Pode ser um bom negócio para os empresários. De ontem para hoje, o vídeo que eu fiz, só no Instagram, teve mais de 105 mil visualizações. Isso que eu tenho 370 mil seguidores. Tem alguns colegas que têm mais do que isso. Estou me comprometendo a absolutamente de graça colocar minhas redes sociais a disposição para divulgação de toda e qualquer marca que aceite entrar nessa campanha da ‘Lista Fortes’ e doar parte significativa dos seus lucros”, disse.

Assista ao vídeo:

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Convocações aos artistas e influenciadores

Uma publicação compartilhada por Caco Ciocler (@cacociocler) em


Depois da publicação de Caco Ciocler, diversas empresas aderiram a ‘Lista Fortes’, como o Magazine Luiza, que decidiu fazer uma doação de R$ 10 milhões ao combate ao novo coronavírus. “Começou! Obrigado, Luiza Trajano. Passando o sufoco, todo mundo comprando na Magazine Luiza”, convocou o ator.

Instituições financeiras como Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, a Cacau Show, o Grupo Zaffari e as Lojas Renner também prometem participar fazendo doações em dinheiro, como conta Caco Ciocler no perfil oficial dele no Instagram. 

Já a Decathlon, empresa de artigos esportivos, decidiu doar todo o estoque disponível do modelo de máscara easybreath. “Após adaptações por especialistas, o produto poderá ser utilizado como respirador em hospitais”, afirma os responsáveis pela marca. A Hering se comprometeu a confeccionar uma série de uniformes aos agentes de saúde. A Ortobon disse que vai doar mais de três mil colchões para leitos de hospitais que recebem doentes. 

No vídeo que fez quando criou a ‘Lista Fortes, Caco Ciocler usou como exemplo uma camiseta que estava vestindo, com uma fita crepe colada por cima da marca. “Olha aqui, escondi de propósito uma marca que poderia divulgar”, disse.

A publicação do ator teve adesão de diversas personalidades, como a atriz Letícia Sabatella: “No que eu puder ajudar! Os Verdadeiramente Fortes podem contar comigo. Serão divulgados e bem lembrados” prometeu. Os atores Julia Lemmertz, Armando Babaioff e Thais Belchior também aceitaram publicar a iniciativa em suas redes sociais. Fãs de Caco Ciocler também disseram que vão dar preferência ao consumo em lojas que aceitarem participar da campanha de combate ao novo coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Governo lança plataforma para registrar doações de enfrentamento ao coronavírus

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Empresas, entidades, associações e órgãos públicos poderão oferecer serviços e produtos gratuitamente

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2020 | 12h08

BRASÍLIA - O governo federal lançou neste domingo (22) a plataforma "Todos por Todos", onde empresas, entidades, associações e órgãos públicos poderão oferecer serviços e produtos gratuitamente ou em caráter de emergência para o enfrentamento ao novo coronavírus. O endereço é www.gov.br/pt-br/todosportodos. Além disso, já estão disponíveis no site informações e endereços digitais para auxiliar as pessoas nessa temporada de isolamento. 

Entre elas estão dicas de ferramentas de produtividade e trabalho a distância, informações atualizadas sobre a doença (com links para o aplicativo e o site do Ministério da Saúde e um curso online sobre o novo coronavírus), links para acesso a serviços públicos federais digitais, como carteira digital de trabalho, de trânsito, solicitação de aposentadoria por tempo de contribuição, de benefício a pessoa com deficiência, pensão por morte, entre outros. Endereços eletrônicos para cursos de capacitação à distância, como do Sebrae e Senai, também já estão na plataforma.

Segundo o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, a plataforma busca formas de aproximar quem pode oferecer produtos e serviços a quem mais precisa nesse momento. "O mundo digital garante formas seguras de nos aproximarmos hoje. As restrições impostas pelo coronavírus abrem espaço para canais como este, de ajuda e solidariedade a toda a população brasileira", disse Monteiro.

Sobre as doações e oferecimento de serviços que podem ser comunicados através da plataforma, o Ministério da Economia informou que os órgãos do governo federal já começaram a receber orientações de como podem participar.

"A página Todos por Todos não tem objetivo promocional para quem doa ou oferta em caráter de emergência seus produtos e serviços. Por intermédio dela, o que acontece é a conexão entre doadores e receptores. A confiabilidade das informações prestadas são averiguadas ainda antes da inserção de produtos e serviços na página", diz a pasta em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.