Cabelo de Che Guevara será leiloado nos Estados Unidos

Um ex-agente da CIA que assegura terajudado a capturar Ernesto "Che" Guevara e enterrá-lo naBolívia há 40 anos, espera fazer fortuna com o cabelo do famosolíder revolucionário nascido na Argentina e naturalizadocubano. Gustavo Villoldo, de 71 anos, um exilado cubano que diz terdesempenhado um importante papel na captura de Che na selvaboliviana, planeja leiloar parte do cabelo e outros objetos quemanteve em um álbum de recortes desde a missão militar da CIA edo Exército boliviano que terminou com a morte do guerrilheiro,em 1967. "Estou fazendo isso pelo bem da história e para encerrar (otema). Esta é uma peça única", afirmou Villoldo sobre seu livrode recortes. "Guevara é, eu diria, a figura mais reconhecida no mundo.Para mim, uma parte de seu cabelo, psicologicamente para mim,significa que eu estava cortando um dos símbolos da revolução,o cabelo comprido", acrescentou. Che Guevara, um importante personagem da Revolução Cubanade 1959, é considerado um herói revolucionário por gerações departidários da esquerda. Villoldo espera que o álbum de recortes, que inclui um mapausado para perseguir Che e fotografias de seu corpo, sejavendido por 7 milhões de dólares no dia 25 de outubro em umacasa de leilões no Texas.Perguntado sobre como poderia comprovar a autenticidade docabelo, Villoldo respondeu que não tem motivos para mentir. "É o que é, e eu deixo as pessoas acreditarem ou não, eisso depende delas", disse. Ele acrescentou que uma amostra de DNA poderia ser extraídados cabelos e que ela poderia ser comparada com a informaçãogenética de membros sobreviventes da família de Che. O governo cubano afirma que recuperou os restos mortais deChe Guevara na Bolívia há uma década e que o sepultou aos pésde um monumento em Santa Clara, Cuba. Tom Slater, da Galeria de Leilão Heritage em Dallas, noTexas, disse que é difícil prever quanto Villoldo poderiaganhar com a venda. Embora o ex-agente da CIA preveja um lucro milionário,Slater disse que a casa de leilões espera que a cifra fique "umpouco superior a 100 mil dólares". "Mas isso é muito subjetivo", disse Slater. "Há muitasemoções envolvidas", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.