Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Cabeça de Mutante

Nino Antunes foi escolhido por Sérgio Dias, dos Mutantes, como o melhor entre os inscritos na 4ª edição do Musique

, O Estado de S.Paulo

30 Abril 2011 | 00h00

Foi um dia para fazer a música e outr0 para os arranjos. E aquela muralha que parecia intransponível, de repente, em pouco mais de 24 horas, estava no chão. O mineiro Nino Antunes foi quem melhor traduziu em melodia os versos de Sérgio Dias nesta quarta edição do Prêmio Musique, realizado pelo Caderno2+Música em parceria com a Rádio Eldorado. O concurso, que contou com inscritos de vários Estados do País, desafiava o leitor a fazer uma canção para a letra inédita de Dias, Terra Nossa. Ao contrário de letras em outras edições, seus versos nem sempre respeitavam uma métrica definida. A parada era dura. "A primeira coisa que pensei foi "isso aqui não vai dar música"", diz Nino.

A criação de Nino, regravada no estúdio Mosh, em São Paulo, já está disponível no site do concurso (estadao.com.br/musi que). Agora, ele concorre com outros vencedores de Musiques (leia abaixo) a um show no Rock in Rio, que será realizado no fim de outubro, no Rio de Janeiro.

Nino toca guitarra desde 1987. Em 1994 passou a produzir jingles. No começo de 2009 mudou-se para São Paulo, onde abriu uma produtora de trilhas e passou a trabalhar na Play It Again, também criando para o mercado publicitário. Músicas dos Mutantes, como Balada do Louco e Ando Meio Desligado, sempre estiveram em seu repertório. Mas foi em 2001, quando ouviu Technicolor, que sentiu o estalo. "Eles são um mito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.