REUTERS/Martin Schlicht
REUTERS/Martin Schlicht

Cabeça de estátua gigante de Lênin é desencavada e será exposta em Berlim

Demolição da escultura foi mostrada no filme alemão 'Adeus, Lênin!', de 2003

REUTERS

11 de setembro de 2015 | 12h16

BERLIM - Vinte e quatro anos depois de ser enterrada, a cabeça de uma estátua gigante do líder revolucionário soviético Vladimir Lênin foi escavada em uma floresta nos arredores de Berlim nesta quinta-feira, 10, para ser exibida em uma exposição na capital alemã.

O monumento foi derrubado sem maiores cerimônias após a queda do Muro de Berlim em 1989. Sua demolição, mostrada no filme alemão de grande sucesso Adeus, Lênin!, de 2003, se tornou um símbolo do fim da Alemanha Oriental e do colapso do comunismo na Europa.

A estátua de granito desenhada pelo escultor russo Nikolai Tomski foi quebrada e separada em 130 peças antes de ser enterrada. Autoridades da cidade afirmaram que as outras partes continuarão debaixo do solo.

Moradores da Praça Lênin, que abrigava a estátua em Berlim Oriental e que foi rebatizada como Praça das Nações Unidas, ficaram divididos quanto à perspectiva de a cabeça ser exposta novamente em breve. Durante décadas, Lênin, que liderou a Revolução Bolchevique na Rússia em 1917, foi visto pelos alemães ocidentais como o comunista modelo, e era onipresente em retratos, cartazes e estátuas.

“É uma babaquice desencavá-lo de novo agora”, opinou Friedrich Krause. Outro morador que só se identificou como Seuder disse: “Lênin se reerguendo? Isso não funciona. A história acabou”.

Outros berlinenses discordaram. “É uma ótima ideia. Foi uma vergonha terem tirado-a, para começo de conversa”, afirmou Erhardt, morador que preferiu só informar o primeiro nome.

Mais conteúdo sobre:
BerlimVisuaisLenin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.