Bush como tema de peça teatral em Nova York

George W. Bush serviu de inspiração para a cena teatral de Nova York, onde no próximo final de semana estarão em cartaz até três peças baseadas no Governo do presidente americano, em tom de comédia musical. Bush is Bad (Bush é Mau), Bush Wars (As Guerras de Bush) e Laughing Liberally (Rindo de tudo, com a conotação política do termo liberal), são os títulos das peças que giram em torno do inquilino da Casa Branca. Bush é Mau, a mais antiga das três, estreou em 29 de setembro e continuará em cartaz pelo menos até 23 de março, após estender suas apresentações devido ao sucesso de público.Bons Valores Conservadores, Mentirosos Mentindo, John Bolton (embaixador dos EUA na ONU) Também tem Sentimentos e Como 59 milhões de Pessoas Podem Ser Tão Tontas? (número de eleitores do candidato democrata, John Kerry, nas eleições de 2004), são os nomes de algumas canções interpretadas nas peças."Se encontrar algum republicano de mente aberta, traga-o para que possa aprender algumas coisas sobre como o resto dos americanos os observam" é o slogan da peça, escrita por Joshua Rosenblum. Composta por 16 paródias musicais, As Guerras de Bush tem o objetivo de "contra-atacar a terrível agenda da administração Bush"."As Guerras de Bush" inclui um número de dança entre George W. Bush e Osama bin Laden, e um dueto entre o líder americano e o chefe dos assessores presidenciais, Karl Rove. Segundo a publicidade, a obra é uma crítica ao "pequeno respeito" que o presidente americano mostra frente a assuntos como a Convenção de Genebra (para prisioneiros de guerra) e as liberdades individuais e coletivas.Também não falta uma cena de cama entre o vice-presidente, Dick Cheney, e duas mulheres que possuem o mesmo nome de companhias petrolíferas conhecidas.Escrita por Nancy Holson, As Guerras de Bush estreou no último dia 12 e será apresentada até o próximo dia 19.A terceira peça da série, Rindo de Tudo, terá única apresentação no sábado em um auditório muito maior, o Town Hall, com capacidade para 1.500 pessoas. Seu promotor, Justin Krebs, é um ativista político que fundou um clube de bebedores chamado Bebendo de tudo e que tem como lema "promover a liberdade, gole a gole". Com o subtítulo de "salvando a democracia, riso a riso", Rindo de tudo é a versão teatral da iniciativa, com a qual Krebs pretende resistir às mensagens de outros humoristas, que considera "muito conservadores".Em contraste com Bush é Mau e As Guerras de Bush, Rindo de Tudo conta com atores conhecidos na Broadway, como Jim David. Embora reconheça que gostaria que houvesse uma mudança política radical em Washington, David assegura que a peça "não se limitará a uma simples sátira de Bush". "Seria muito fácil", conclui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.