Burti homenageia Bispo do Rosário com calendário

Será lançado esta noite, no Instituto Tomie Ohtake, o catálogo Burti 2003 que, em sua 8.ª edição, homenageia um dos mais fecundos artistas brasileiros, Arthur Bispo do Rosário (1911 - 1989). A publicação reproduz 50 imagens de trabalhos realizados por Bispo durante sua longa internação na Colônia Penal Juliano Moreira e que revelam como o artista conseguiu desenvolver um potente discurso, dando vazão à necessidade de controlar suas fantasias inconscientes a partir da organização formal de elementos plásticos.O bordado, com o qual recobre as vestes que segundo ele serviriam para sua "apresentação ao mundo" de forma resplandecente, que são o traje concebido e executado com ele para encontrar-se com Deus no dia do Juízo Final, é um dos elementos centrais de sua criação. Ele também resgata e sacraliza elementos do cotidiano, construindo composições de extrema beleza e rigor utilizando coisas banais como botas usadas e colheres.Como resumiu Lisette Lagnado no texto Arthur Bispo do Rosário e a Instituição, "em sua coleta, Bispo estava elaborando os parâmetros tanto de sua identidade como de sua posteridade: todos os objetos e bordados, sobretudo o Manto da Apresentação - em destaque no calendário - haviam sido executados para o momento do Juízo Final. A passagem de Bispo para um além tão almejado converteu-se em seu ingresso no cânone transcendente da arte". Em outras palavras, ele "oscila entre duas lógicas: a da psiquiatria e a da arte" e talvez por isso sua obra tenha uma carga expressiva tão intensa. Afinal, nada poderia ser mais potente do que uma associação genuína entre loucura, arte e religião.O sergipano Arthur Bispo do Rosário mudou-se em 1925 para o Rio de Janeiro, alistou-se na Marinha, trabalhou na Light, foi pugilista, borracheiro e lavador de bondes. Seu primeiro surto alucinatório ocorre em 1939 e é diagnosticado como esquizofrênico-paranóico. E é das sucatas e no isolamento do hospício que constrói sua obra.Essa união entre vida e arte foi o que fez com que a gráfica Burti lhe dedicasse a próxima edição do catálogo - que já foi dedicado anteriormente a artistas de peso como o brasileiro Miguel do Rio Branco e o peruano Martin Chambi. A idéia da publicação é utilizar o suporte calendário como forma de difusão de obras de qualidade. Daí a publicação, juntamente com o calendário, de um catálogo de 36 páginas com fotos feitas por Fernando Chaves sobre sua obra (além das imagens selecionadas para ilustrar os doze meses do ano).A publicação terá uma edição de três mil exemplares e a maior parte dela será doada ao Museu Bispo do Rosário, na colônia Juliano Moreira.Calendário Burti. Com obras de Arthur Bispo do Rosário. Editora Gráficos Burti. R$ 50,00. Hoje, às 20 horas. Instituto Tomie Ohtake. Avenida Faria Lima, 201, tel. 6844-1900. Aberto apenas para convidados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.