Bruno Campos estréia na 3.ª temporada da série Nip/Tuck

Bruno Campos é brasileiro, foi ainda criança morar no exterior - passou pelo Canadá, pelo Oriente Médio e Estados Unidos. Estudou interpretação fora do País, mas ganhou projeção internacional depois de sua atuação em um filme nacional. "O Quatrilho", de Fábio Barreto, concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 1996 e lançou o ator nos Estados Unidos. Tanto que, em 1998, Bruno participou da série "Jesse", ao lado da popular atriz Christina Applegate, a Kelly Bundy, de Married With Children. Em "Jesse", Bruno vivia Diego, um chileno. Naquela época, a TV americana ainda era muito estereotipada. Hoje nem tanto. Bruno participa desta terceira temporada de "Nip/Tuck", que o canal Fox estréia no dia 12, às 22 horas. Ele interpreta um cirurgião plástico, sócio dos protagonistas da série. Em passagem pelo País para divulgar a série, o ator aproveitou para passear e saber como anda o mercado nacional do entretenimento. Tem curiosidade de saber quanto faturam as emissoras, quanto é a audiência dos programas de sucesso, quantos domicílios compõem um ponto de ibope... Bruno também pergunta pelos atores com quem contracenou e pelos artistas que faziam sucesso na época em que morou no Brasil para filmar O Quatrilho. Depois de se colocar a par de tudo, o ator não descartou a possibilidade de trabalhar em solo brasileiro - assim como Sônia Braga.Em "Nip/Tuck", Bruno é Quentin Costa, ?uma síntese dos dois personagens principais Christian Troy e Sean McNamara?, como explica o próprio ator. ?Ele tem a ética na cirurgia plástica, mas também um intenso desejo sexual.? Para quem não acompanha a série, os protagonistas são bem antagônicos. Ele é uma espécie de ?vampiro? que tem papel decisivo para o desfecho dessa terceira temporada de "Nip/Tuck". Nos EUA, seu papel deu muito o que falar, mas esta repórter nada adiantará sobre o enredo a pedido do ator, que não quer estragar a surpresa dos espectadores.Para interpretar Quentin Costa, Bruno passou por uma espécie de laboratório e durante sete semanas acompanhou cirurgias plásticas de todos os tipos. E acompanhou de verdade. Ficou ao lado dos médicos observando tudo. ?Um rosto aberto tem o formato de uma pizza?, brinca o ator. ?Na primeira cirurgia, tive vontade de vomitar, mas depois fiquei ótimo.? Para o ator, estar em uma atração sombria e pesada é uma honra. ?A TV fechada possibilitou um nível profundo de complexidade nos enredos e personagens de séries?, explica Bruno. ?Atrações como ´The Sopranos´, ´The Shield´ e a própria ´Nip/Tuck´ trouxeram um mundo de anti-heróis e permitiram a entrada de histórias mais negras, mais sujas. Isso para um ator é muito atraente. Quando você entra em ´Nip/Tuck´, não só espera, como deseja um tratamento punk.? O brasileiro foi convidado a participar da série de cirurgia plástica depois de ter feito The D.A. - que não deu certo -, dos mesmos produtores de ´Nip/Tuck´, ao lado de sua colega de escola de interpretação, Felicity Huffman - a Lynette de "Desperate Housewives" e indicada ao Oscar por "Transamérica". Antes, Bruno esteve em "Suddenly Susan", com Brooke Shields; Cybill, com Cybill Shepherd (de "A Gata e o Rato"); e em "Will & Grace", em que era o pretendente careta da alcoólatra Karen (Megan Mullally). Depois fez participação em cinco episódios da série médica "E.R.", em 2003, e atuou com James Spader em "Boston Legal".Para Bruno, o mercado americano para atores é tão difícil quanto qualquer outro. O ator que adora números conta que são produzidos por ano cerca de 300 pilotos de séries de TV e que, destes, apenas uns 50 vão ao ar e aproximadamente 10 ganham novas temporadas. O que melhorou por lá foi a abertura para atores latinos e estrangeiros em geral. ?Há 10, 8 anos, latinos e estrangeiros em geral eram sempre imigrantes?, fala o ator. ?Nos últimos anos essa imagem foi evoluindo.? Bruno conta que na época em que fez Jesse - ele vivia um chileno - não se preocupou com esse estereótipo porque seu personagem, o Diego, era popular por ser ético. ?Hoje há um reconhecimento da comunidade latina nos Estados Unidos e a responsabilidade do ator latino é de redefinir esse conceito?, diz. E realmente há uma campanha para reposicionar o latino na mídia americana. Outros artistas entram nessa briga, entre eles, Eva Longoria, Gabrielle Solis de "Desperate Housewives" e até Sônia Braga, que conseguiu fugir de papéis que só caberiam em uma latina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.