Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bruna, um filme superior aos que o criticam

Primeiro blockbuster brasileiro do ano segue faturando

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2011 | 00h00

Deborah Secco pode ser a alma - e a razão de ser - de Bruna Surfistinha, mas Fabiula Nascimento e Drica Morais conseguem ser ainda melhores do que ela como a prostituta barraqueira e a dona do bordel aonde vai parar a garota de classe média, ao abandonar a casa dos pais adotivos. Drica, superado o câncer, renasce como mulher e atriz. Não é o menor dos prazeres proporcionados pelo filme de Marcus Baldini.

Bruna ultrapassou rapidamente a marca do milhão de espectadores. Parabéns, o cinema brasileiro já está sabendo produzir seus blockbusters. Os críticos reclamam - qualquer filme que supere a marca de 5 mil espectadores se torna suspeito para quem reza pela cartilha do cinema de autor. Baldini, além de assinar um sucesso, veio da publicidade. Ele não é só suspeito. É culpado, alguém tem dúvida?

Pois deveria (deveriam, no plural) ter. Bruna Surfistinha é o mais gráfico e ousado tratado sobre a prostituição produzido pelo cinema brasileiro. Baldini trata Raquel/Bruna como personagem de ficção e, só no desfecho, depois que ela voltou a se prostituir - à difícil vida fácil -, o letreiro informa sobre a "redenção" da heroína.

Na tela, o que se vê é a pauleira. Raquel, com o codinome Bruna, vira ficção de si mesma. É uma Gata Borralheira que se recusa a ser Cinderela - uma psicanálise básica diria que sua aversão ao príncipe encantado é reação ao universo familiar em que foi criada -, e dificulta ao máximo a tarefa dos que querem amá-la, sejam homens (presumíveis amantes) ou mulheres (amigas). O filme é gráfico ao extremo, sem chegar a ser explícito. O viés moralista de que foi acusado está onde? Ah, sim, no já assinalado letreiro final. Bruna não é um grande filme, mas também não bate na tecla fácil de que é a sociedade que prostitui os indivíduos. Raquel tem, e exerce, seu livre-arbítrio. O filme é, no limite, superior às críticas que tem recebido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.