British Museum relembra 200 anos do fim do tráfico negreiro

O British Museum, em Londres, inaugurou nesta quinta-feira, 22, uma obra para comemorar o aniversário de 200 anos da lei britânica que aboliu o tráfico de escravos. Intitulada La Bouche du Roi (A Boca do Rei, em tradução livre para o português), ela foi inspirada na gravura do século 18 de um navio negreiro originário de Liverpool. Segundo o artista que criou a peça, Romuald Hazoumé, seu trabalho fala das condições subumanas em que os britânicos transportavam os escravos do oeste da África para as Américas. A escultura é formada por calabouços, restos de embarcações e outros elementos associados à escravidão. Como parte da programação das comemorações, o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela gravou em um comunicado um pedido para que se lute por um mundo mais justo. As declarações de Mandela serão exibidas no domingo, 25, data do bicentenário, em uma tela gigante, durante o evento Dia da Resistência e da Lembrança, que acontecerá na sala central do British Museum. "Ainda há injustiça e desigualdade no século 21. Como disse antes, se todos acreditarmos e fizermos com que o mundo seja mais justo, mais pessoas acreditarão que isso é possível, e daí teremos o nosso ponto de virada", disse Mandela. Durante o Dia da Resistência e da Lembrança, poesias serão lidas, músicas serão tocadas e filmes sobre o bicentenário serão projetados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.