Britânicos ameaçam legislação sobre pirataria na Internet

A Grã-Bretanha irá impor uma legislação sobre os provedores de serviço de Internet (ISP) em abril de 2009 se eles não cooperarem com a indústria musical e cinematográfica para coibir downloads ilegais, afirmou o governo nesta sexta-feira. O governo emitiu um comunicado estratégico sobre o problema do compartilhamento ilegal de arquivos depois que os dois lados falharam em chegar a um acordo voluntário sobre a melhor forma de lidar com a questão. O comunicado afirma que o governo ainda prefere uma solução voluntária, mas que irá começar a consultar uma possível legislação sobre o tema ainda este ano. A medida segue a decisão do governo francês de banir o acesso à Internet daqueles que repetidamente fazem downloads ilegais. A indústria estima que o número de usuário de banda larga que fazem esses downloads ilegais em cerca de 6 milhões. "No intervalo de apenas quatro meses, dois governos, na França e Grã-Bretanha, simpatizaram com a simples idéia de que os provedores de Internet estão posicionados de forma única para ajudar na luta contra a pirataria digital", afirmou John Kenndy, chefe de comércio internacional de música da IFPI. "Este é um divisor de águas nesta postura". Os provedores preferem um acordo voluntário e argumentam que, como muitas condutas, não é de sua natureza policiar a Internet. Mas o governo tem se posicionado para ajudar as indústrias criativas do país. As vendas globais de músicas caíram cerca de 10 por cento em 2007 e o setor estima que dezenas de bilhões de músicas foram ilegalmente compartilhadas no ano passado. Os maiores provedores de Internet da Grã-Bretanha incluem a BT, Virgin Media, Carphone Warehouse, Tiscali, BSkyB e Orange.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.