Breeders revisita um clássico de 20 anos

Banda toca na íntegra 'Last Splash', um dos marcos do rock noventista

ROBERTO NASCIMENTO , O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2013 | 02h14

Em matéria de refrões que ninguém entendia, mas cantava mesmo assim, Cannonball é um marco. Um minuto e meio adentro da faixa que transformou o Breeders em sensação nos anos dourados da MTV, uma guitarrinha boa-praça dá vez aos gritos de Kim Deal. Se o que ela diz é poesia ou palavrão, só o Google pode esclarecer, mas não deixa de ser o refrão que fez os filhos alternativos dos anos 90 pularem sem a mínima ideia do que estava se passando na música.

Duas décadas depois de Cannonball e o disco Last Splash levarem o Breeders à crista da onda grunge, emplacar um hit de refrão incompreensível parece uma firula típica da banda que toca amanhã, no Cine Joia, como parte da programação do festival Popload Gig. Tanto em Pod, o primeiro, quanto em Last Splash - os dois clássicos do Breeders - a banda ganhou a crítica por sua leitura excêntrica de elementos pop. Kurt Cobain, que tinha Pod no terceiro lugar de sua lista de discos que mais influenciaram o Nirvana, chegou a dizer que adorava a forma totalmente única e atmosférica com que o grupo estruturava as canções.

Em comemoração dos 20 anos de Last Splash, Kim Deal, recentemente livre de sua obrigações com o Pixies, a outra grande banda de qual fez parte, colocou Breeders na estrada com o mesmo line-up do disco, uma formação que não toca junto desde 1994.

Josephine Wiggs, baixista e criadora de famosa linha de baixo de Cannonball, conta que não havia como a banda continuar. "Foi complicado, imagino que você já tenha lido sobre as histórias (Kelley Deal, irmã de Kim, foi presa por porte de drogas, teve que ser internada em uma clínica de reabilitação e a banda foi colocada em espera).

"A coisa desmoronou a partir de então e nunca voltou a dar certo", diz a musicista, por telefone, em entrevista ao Estado. Desde então, o Breeders lançou três discos esporádicos, mas sem causar muito alarde. Josephine e Deal tocaram em uma comemoração dos 25 anos da gravadora Matador, e, embora o Breeders tenha lançado discos com outra formação, não deixaram de lado uma reunião.

"Quando nos apresentamos no evento da Matador, pediram para a gente tocar algumas faixas de Pod e Last Splash. Nos divertimos bastante, e lembro que todo mundo ficou impressionado com o jeito que conseguimos recriar o disco", explica. Acho que isso plantou uma semente de que tocaríamos juntos de novo", completa.

De acordo com o Guardian, que assistiu ao show comemorativo de Last Splash no mês passado, a banda está em ótima forma, tendo transformado o que um dia já foi forte e destemido em diversão para a edição 2013 do grupo. "Kim tem dito bastante o quanto ela está se divertindo nesta turnê. Eu estava preocupada que ela pudesse estar desinteressada, cansada e com preguiça, mas ela está gostando muito." Além de Josephine e Kim, a turnê traz também Kelley na guitarra e o baterista Jim McPherson. Como Last Splash é um disco curto, com cerca de meia hora de duração, o público pode esperar ouvir boa parte de Pod no bis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.