Brasília expõe a sua história

Uma volta ao passado e um retrato da saga que marcou a construção de uma das mais modernas cidades do mundo. É assim que a exposição Brasil, Brasília e os Brasileiros, que está sendo realizada na capital do País desde o dia 7 de setembro, retrata o período que talvez seja o mais importante da história do presidente Juscelino Kubitschek (1902-1976), homenageado no centenário de seu nascimento. Por meio de recursos de multimídia, documentos, fotografias e filmes de Maurice Capovilla, feitos à época, a exposição também enfoca a figura de Israel Pinheiro, o político e engenheiro a quem JK incumbiu de tocar a obra. A exposição, que tem a produção de Israel Beloch e Laura Reis Fagundes, também vai mostrar que, desde que o País era uma colônia portuguesa, já se pensava em mudar a capital, do litoral para o planalto central. Brasil, Brasília e os Brasileiros, que está sendo realizada no Palácio do Itamaraty, poderá se tornar um projeto permanente. O conselho curador da Fundação Israel Pinheiro estuda transformar a Praça dos Três Poderes - onde estãos sediados o Legislativo, Executivo e Judiciário, o Museu da Cidade, Panteão da Pátria e os espaços Lúcio Costa e Oscar Niemeyer - em um centro da história da Capital Federal. O projeto se chamará Caminho da História, onde o público poderá ver, por meio de livros, catálogos, CD-ROM e terminais de consultas informatizados, tudo referente à transferência da capital do País para o centro-oeste brasileiro. No mesmo local, ficará a exposição permanente Brasil, Brasília e os Brasileiros. Outra mostra permanente compõe o evento: Integração e Desenvolvimento, com uma exposição virtual do Museu JK e futuro Espaço Israel Pinheiro e outra, abordando as artes e a brasilidade.A exposição tem, ainda, outros aspectos da história da capital federal, muitos deles desconhecidos dos próprios habitantes. Entre eles, estão retratados documentos registrando o número de brasileiros que chegaram ao Distrito Federal na época de sua construção. Ou fotografias revelando um JK pensativo, um tipo de emoção que ele pouco demonstrava em público.Além de Israel Pinheiro e JK, os arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer serão tema da exposição que terá um palco próprio. Os curadores da mostra transformaram o salão central do Itamaraty no canteiro de obras em que se transformou o Planalto Central, há mais de quatro décadas. Mas também retrocederam até o século 19, trazendo os instrumentos de astronomia usados pela Missão Cruls, que vasculhou a região em 1892. E mais: o jipe que JK e Israel Pinheiro utilizavam para fiscalizar a obra e o carrinho de mão utilizado por centenas de milhares de candangos - como eram chamados os trabalhadores da obra - , estarão entre as peças da mostra. A exposição vai até o dia 30 de setembro, com visita aberta de segunda a sexta-feira, das 14 horas às 16h30. Sábados, domingos e feriados, das 10 horas às 15h30. A entrada é franca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.