BrasilConects fecha; Oca volta para a Prefeitura

A BrasilConects que tinha permissão por tempo indeterminado para utilizar o espaço da Oca (Pavilhão Lucas Nogueira Garcez) no Parque do Ibirapuera anunciou a devolução do prédio para a Prefeitura de São Paulo, em carta oficial endereçada à prefeita Marta Suplicy, ao prefeito eleito José Serra e ao ministro da Cultura Gilberto Gil. O motivo alegado foram as "estreitas ligações" entre Edemar Cid Ferreira, fundador e presidente do conselho da BrasilConnects, e o Banco Santos, também presidido por ele, mas hoje sob intervenção do Banco Central. O Banco Santos custeava várias despesas da Oca, que tinha um custo de manutenção de cerca de R$ 100 mil por mês, segundo a assessoria de imprensa da entidade. O espaço será devolvido assim que for desmontada a exposição que está em cartaz, a Fashion Passion.Emilio Kalil, presidente-executivo da BrasilConects, explicou em entrevista ao repórter Jotabê Medeiros, que a independência da organização era relativa (leia a íntegra da entrevista amanhã, no Caderno 2): "O que eu dizia é que a empresa tinha independência jurídica. Mas não é uma independência absoluta. É obvio que tem relação com a figura do Edemar, o prestígio do mecenas, do colecionador. Ele criou isso, ele é o pai da criança". História da Oca - O prédio da Oca foi reformado com um custo de U$ 11 milhões em troca de uma "permissão de título a uso precário gratuito", ou seja, não pagava pelo uso do espaço, mas era responsável pela administração do prédio. O acordo inicial foi feito em 2000, com o prefeito Celso Pitta, e renovado em 2003, com a prefeita Marta Suplicy, por tempo indeterminado.O quinto centenário do descobrimento do Brasil foi o mote para a criação da Associação Brasil 500, com a Mostra do Redescobrimento, em 2001. Depois, seu nome mudou para Brasil + 500 e por fim BrasilConects, uma organização independente e sem fins lucrativos com projetos culturais e ecológicos. Em quatro anos de existência realizou 45 mostras, com uma estimativa de público de 10 milhões de pessoas. Entre os destaques, a recordista de público foi Picasso na Oca, com 905 mil pessoas. Os guerreiros de Xi´an, com a arte da China, levou 820 mil visitantes à Oca. Houve ainda Parade, com obras do acervo do Centro George Pompidou de Paris, 500 Anos de Arte Russa, A Bigger Splash, com o acervo da Tate Galery de Londres, e, atualmente em cartaz, a mostra Fashion Passion: 100 Anos de Moda na Oca, até o dia 9 de janeiro. Confira outras mostras no site que ainda está no ar: www.brasilconects.org.A BrasilConects estava envolvida com três exposições do megaevento 2005: Ano do Brasil na França, que poderão ser realizados pela Fundação Bienal de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.