Brasil se despede de Paulo Autran; corpo é velado em SP

Velório começou às 21h50 na Assembléia Legislativa; corpo será cremado às 11 horas deste sábado

Alexandra Penhalver, do Estadão,

12 Outubro 2007 | 21h02

Os primeiros fãs e amigos de Paulo Autran já chegaram à Assembléia Legislativa de São Paulo na noite desta sexta-feira, 12, para o velório do ator. Autran morreu às 16h10 após lutar um ano contra um câncer no pulmão. O corpo chegou às 21h48 no local, de onde sairá para o crematório da Vila Alpina neste sábado, às 11 horas.   Veja também: Paulo Autran, lenda dos palcos brasileiros  Paulo Autran: uma vida dedicada ao teatro Ouça a homenagem da Rádio Eldorado ao ator Paulo Autran  Em entrevista, Autran lamenta fim da carreira Web guarda grandes momentos do 'Senhor dos Palcos'  Antônio Petrin e Cláudio Cavalcanti falam da perda de Paulo Autran  Personalidades dão adeus ao 'Senhor dos Palcos' Lula lamenta, em nota, a morte de Paulo Autran História: ouça Autran nos anos 60 na Rádio Eldorado Deixe sua mensagem de despedida ao grande ator    Cerca de 50 pessoas aguardavam a chegada do caixão, que foi carregado por cinco homens e entrou pela rampa principal da Assembléia. A partir das 22h30, o velório, que seguirá madrugada adentro, foi aberto ao público.   A atriz Tônia Carrero, amiga e parceira de Autran em inúmeros trabalhos, estava no local, assim como os atores Cecil Thirré, John Herbert, Marisa Orth, Cassio Scapin, o autor de novelas Silvio de Abreu e o apresentador Serginho Groisman. A viúva do ator, Karen Rodrigues, irmãos e familiares velavam o corpo.   Autran estava internado desde quinta-feira, 10, no Hospital Sírio-Libanês, quando deu entrada com quadro de problemas intestinais. Durante a madrugada o ator chegou a ser sedado pela equipe médica. No início da tarde, o médico Drauzio Varella informou que o estado era "grave". Às 16h10 foi divulgada oficialmente a morte do ator.   Há duas semanas, Paulo Autran divulgou a sua aposentadoria, por questões de saúde. Ele sofria também de enfisema pulmonar e tinha problemas cardíacos. Lutava contra o câncer desde 2006.   Em 85 anos de vida, dedicou 57 às artes, com atuações em teatro, cinema e televisão. É considerado um dos gênios do teatro brasileiro.   Sua estréia profissional ocorreu em 1949, após algumas encenações amadoras na época em que cursava a Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da USP. Na peça Um Deus Dormiu Lá em Casa, de Guilherme Figueiredo, Autran dividiu o palco pela primeira vez com Tônia Carrero, com quem contracenou diversas vezes. Ao todo foram 90 peças, sendo a última O Avarento, de Molière.

Mais conteúdo sobre:
Paulo Autran Velório

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.