Brasil está em seções paralelas

Dois Ursos de Ouro (Central do Brasil, de Walter Salles, e Tropa de Elite, de José Padilha), dois de Prata (Os Fuzis, de Ruy Guerra, e Brasil Ano 2000, de Walter Lima Jr.), três prêmios de interpretação feminina (Marcélia Cartaxo, por Nasce Uma Estrela; Ana Beatriz Nogueira, por Vera; e Fernanda Montenegro, por Central do Brasil) - Berlim, entre todos os festivais internacionais, foi sempre o que mais reconheceu o cinema brasileiro.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2011 | 00h00

A Berlinale de 2011 não selecionou nenhum filme do Brasil para a competição de longas, mas José Padilha volta ao cenário do seu triunfo exibindo Tropa de Elite 2 no Panorama Especial. Ainda saboreando a vitória no recente Festival de Tiradentes, Tiago Mata Machado leva Os Residentes para o Fórum e o jovem diretor mineiro está curioso para ver a reação do público alemão à sua discussão sobre a utopia.

Haverá também um curta nacional na mostra Geração, com filmes voltados à temática da infância e da juventude. Ensolarado, de Ricardo Targino, conta a história de uma família que se vê obrigada a entregar a filha a outra família, para que a garota seja criada na cidade grande.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.