Brasil +500 recebe público especial

A partir desta terça-feira, os deficientes sensoriais e mentais, além de portadores de distúrbios emocionais, terão a oportunidade de tocar, cheirar e "ouvir" réplicas, maquetes e miniaturas elaboradas exclusivamente para a visita à Mostra do Redescobrimento: Brasil +500. "Será uma forma de apreciação estética sensorial, não só visual como costuma ocorrer na maioria das exposições", explica a coordenadora do projeto Públicos Especiais, Amanda Pinto da Fonseca Tojal. Já estão confirmadas as visitas de três instituições para o primeiro dia: a Derdic, ligada à PUC, a Abrace e a Agap. Por já ter uma vasta experiência nesse assunto - há mais de um ano é curadora da mostra O Toque Revelador: A poética das Formas, no Mac, - Amanda, em parceria com os profissionais da Ação Educativa da exposição, montou todo o projeto que conta com desenhos em alto relevo, um material de apoio, curso para monitores e professores e um programa especial dedicado aos familiares dos deficientes. "A prática do toque faz com que eles estabeleçam uma intimidade com a obra", explica.Segundo Amanda, o evento deve atrair cerca de 3 mil pessoas, que farão visitas monitoradas gratuitamente, em grupos de 20, com a exceção do Cine Caverna. O aviso "não toque" ainda prevalece para as 15 mil obras da mostra, que seguem as regras museológicas de preservação e conservação do acervo. Réplica - O material de apoio visual e tátil para ajudar os visitantes especiais a compreender os temas debatidos nos módulos da mostra está sendo preparado pelo artista plástico Alfonso Ballestero. "Estou me entregando completamente", afirma. Mas ele também ressalta a dificuldade do trabalho, que é estabelecer um diálogo com espectador e ao mesmo tempo manter os traços da obra original. "Sempre modifica um pouco, mesmo contra a nossa vontade". Até agora ele já realizou 26 obras, que passaram pelo crivo de dois deficientes visuais. Para ele, todas as obras deveriam ser tateadas. Ballestero aproveita o trabalho, que começou no fim do ano passado, para incluir em sua pós-graduação na Escola de Comunicação da USP. O programa também vai repassar informações sobre as visitas monitoradas aos professores e profissionais das áreas de educação e saúde, responsáveis por grupos especiais de crianças, jovens e adultos portadores de deficiências. Para isso a Ação Educativa vai realizar três encontros gratuitos aos interessados, que deverão se inscrever pelo telefone 0800-780500 ou (11) 3059893.Programa em Família - O projeto Públicos Especiais dispõe também de uma programação aos sábados, das 10 às 12 horas, com atendimento a crianças, jovens e adultos portadores de deficiências que desejarem visitar a exposição acompanhados por familiares e amigos. As pessoas interessadas deverão agendar suas visitas por telefone com antecedência. Nesse caso, o acompanhante deverá arcar com o custo do seu próprio ingresso. Serviço - A Mostra do Redescobrimento: Brasil+500 permanece aberta até o dia 7 de setembro de 2000 nos Pavilhoes da Bienal, Oca e Pinacoteca no Parque do Ibirapuera, Sao Paulo, de terça a sexta-feira, de 14h às 22h e aos sábados, domingos e feridos, de 9h às 22h. Os ingressos para esses visitantes custam R$ 7,00 (terça a sexta-feira) e R$ 10,00 (sábados, domingos e feriados). O pacote para a visita nos três pavilhões custa R$ 10,00, de terça a sexta-feira, e R$ 15,00, nos fins de semana. O preço do ingresso para o Cinecaverna é de R$ 6,00. À tarde, as visitas podem ser realizadas entre as 14 e as 22 horas. Nos fins de semana, a mostra funciona das 9 às 22 horas para o público em geral. Poderão pagar meia-entrada estudantes com a carteirinha, pessoas com mais de 60 anos e professores da rede pública de ensino portando holerite.As visitas especiais só ocorrem nas terças-feiras (no período manhã e tarde), quartas-feiras (tarde) e aos sábados (manhã).MAC - Museu de Arte Contemporanêa da USP - Rua da Reitoria, 109-A. Tel. 818.3327.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.