Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ian Langsdon/EFE
Ian Langsdon/EFE

Brad Pitt diz não ter tempo para ser diretor

Ator está em Cannes promovendo o longa 'Killing them Softly', de Andrew Dominik

MIKE COLLETT-WHITE, REUTERS

23 de maio de 2012 | 18h31

O ator Brad Pitt, que está em Cannes promovendo Killing Them Softly, disse na quarta-feira à Reuters que não pretende se arriscar na direção de filmes, como fez recentemente sua mulher, Angelina Jolie.

Pitt, de 48 anos, um dos maiores astros de Hollywood, passou na terça-feira pelo tapete vermelho do festival francês, onde atraiu uma barulhenta multidão e a atenção da imprensa mundial.

Ele foi um dos principais produtores dessa comédia mafiosa na qual interpreta o matador Jackie Cogan. Nos últimos seis anos, Pitt tem cada vez mais atuado atrás das câmeras, mas ele nega a intenção de virar diretor. "Não, sem chance", declarou.

"Faz sentido em algum nível, mas realmente gosto de ser um produtor criativo e gosto do meu emprego principal", disse ele no hotel Carlton, na orla de Cannes.

"Para mim, chega. Também quero ser pai, antes e acima de tudo. Após dois dias dá comichão, sinto saudade deles", afirmou Pitt, referindo-se aos seis filhos que tem com Jolie. "Eu sei como eu seria, vejo quanto tempo leva para montar a coisa toda e arrumá-la. Não daria certo."

No ano passado, Jolie, também atriz, estreou na direção com o longa-metragem In the Land of Blood and Honey, drama ambientado na guerra da Bósnia.

Killing Them Softly foi dirigido pelo neozelandês Andrew Dominik, com quem Pitt já havia colaborado em 2007 em O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.