Boy George é julgado por crime de cárcere privado

O cantor Boy George algemou um homem à parede de sua casa em Londres, depois de acusá-lo de invadir seu computador, segundo relatos ouvidos num tribunal na segunda-feira no início do julgamento do artista por acusação de cárcere privado. A Press Association informou que o ex-vocalista do Culture Club, que está sendo julgado sob seu nome verdadeiro, George O'Dowd, fez contato com Audun Carlsen, 29 anos, pela Internet, e os dois combinaram de encontrar-se para uma sessão de fotos pornográficas. O tribunal de Snaresbrook Crown, na zona leste de Londres, ouviu que o encontro parecia estar indo bem, até O'Dowd começar a suspeitar que Carlsen estivesse invadindo seu computador, como hacker. Mas eles se despediram amigavelmente, e o cantor pagou ao rapaz 300 das 400 libras (596 dólares) que tinham sido combinadas pelo trabalho. Nas semanas seguintes eles trocaram e-mails nos quais o cantor acusou Carlsen de invadir seu computador e os dois discordaram sobre as fotos de nu feitas. Em e-mails posteriores, porém, O'Dowd disse que gostaria de ver Carlson nu, e eles combinaram de encontrar-se uma segunda vez. Foi nesse segundo encontro que O'Dowd pareceu "decidido a resolver a disputa pela força", disse a advogada de acusação Heather Norton, e algemou o homem mais jovem. Carlsen disse ao tribunal que um segundo homem ajudou a segurá-lo enquanto O'Dowd o espancava. "George me deu tapas, me espancou, me socou e gritou comigo", afirmou ele. Carlsen disse que conseguiu escapar depois de desatarraxar um gancho da parede, e foram mostradas à corte fotos de vergões vermelhos em sua cabeça e machucados em seu braço, segundo ele sofridas durante o ataque. O'Dowd nega as acusações. O julgamento vai continuar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.