Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Bortolotto fala sobre seu teatro, literatura, música e cinema

Semana Mário Bortolotto no Itaú Cultural contará com a presença de críticos, jornalistas e artistas convidados

Beth Néspoli, de O Estado de S. Paulo,

24 Fevereiro 2010 | 15h48

A leitura das dezenas de comentários diários no blog do dramaturgo Mário Bortolotto - Atirenodramaturgo.zip.net - são reveladores de como se ampliou o interesse em torno de sua obra após o incidente trágico por ele sofrido no fim do ano passado, quando reagiu a um assalto e foi baleado no bar do teatro dos Parlapatões, na Praça Roosevelt. Pois essas pessoas que confessam o desconhecimento anterior de sua obra e o desejo de conhecê-la melhor agora têm uma excelente oportunidade: acompanhar a programação da Semana Mário Bortolotto no Itaú Cultural, que começa nesta quarta, 24, e contará com a presença do dramaturgo, críticos, jornalistas e artistas convidados.

 

O evento pode surpreender até seus fãs, uma vez que aborda diferentes facetas de sua criação, desde a mais conhecida, a teatral - há 28 anos ele fundou o grupo Cemitério de Automóveis, é autor de mais de 50 peças, dirige, atua, cria trilhas sonoras -, passando pelo autor de crônicas e poesias, por seu interesse por quadrinhos e música: ele é vocalista da Banda Saco de Ratos (leia abaixo). Na mostra será exibido ainda um filme inédito, o primeiro por ele dirigido, Getsêmani, adaptação da peça homônima de sua autoria. O longa, que tem participação especial do escritor Marcelo Mirisola, retrata o sequestro de um editor de autoajuda por "radicais" que tentam convencê-lo a publicar melhor literatura. "Fiz com 5 mil reais, eu chamo de filme de ínfimo orçamento", brinca Bortolotto.

 

Solidão, amor, amizade, perda - esses são os temas, na definição do próprio dramaturgo, que perpassam todas as suas peças. Sua dramaturgia estará em foco hoje, a partir das 20 horas, na abertura do evento, na forma de um diálogo entre o dramaturgo e o crítico de teatro do Estado, Jefferson Del Rios. E será só conversa. Cenas de diferentes peças poderão ser vistas nas interpretações de André Cecato, Maria Manoela, Martha Nowill, Fernanda D"Umbra e Gabriel Pinheiro. Há quem diga que todos os personagens de Bortolotto são aparentados, habitam o mesmo quarteirão, têm afinidades. Exagero, talvez. Mas se há algo em comum aos seus protagonistas é uma certa atitude de negação da lógica da produtividade e da acumulação como via de satisfação. Não por acaso a figura do outsider valeu uma das grandes crônicas do dramaturgo. E elas são muitas e com temas diversos.

 

Admiradores de seu teatro talvez se surpreendessem ao ler Matou a Família e Foi ao Teatro, crônica publicada no livro Gutemberg Blues, sobre Nelson Rodrigues. Ele começa por confessar não ser um admirador do autor de Vestido de Noiva, mas a partir daí analisa com humor e lucidez o universo rodriguiano. "Nelson não perdoa meu catolicismo frouxo", escreve num dos bons trechos.

Apesar das dores que ainda sente no corpo e da dificuldade de mover os dedos de uma das mãos, sequelas dos tiros, Bortolotto vem trabalhando muito. Sua mais nova peça, Música para Ninar Dinossauros, estreia no dia 18 no Festival de Curitiba. E ele promete a publicação de um novo livro de crônicas ainda este ano e outro de poesia, Um Lugar Legal para Morrer, título, ele faz questão de explicar, que estava escolhido antes do fatídico assalto. Ironias do destino, assim como o nome do seu blog, homenagem ao livro Atire no Pianista, de David Goodis, que suscitou equivocadas associações na ocasião da tragédia.

Outro jornalista do Estado, Jotabê Medeiros, participa do encontro sobre quadrinhos, amanhã, com Marcelo Rubens Paiva e André Kitagawa, autor de Chapa Quente, HQ levado ao palco num belo espetáculo de mesmo nome, sob direção de Bortolotto. "Acho importante dizer que esse evento é um encontro de amigos para falar do que a gente gosta, minha obra é só pretexto. Vamos falar de quadrinhos, música, teatro, de uma forma geral. O mesmo papo do bar, só que no Itaú."

Para Melhor Conhecer O Artista

Quarta, 24

Debate com Jefferson Del Rios

Cenas de peças

Vídeo de trajetória

Quinta, 25

HQ e Literatura

Debate com Jotabê Medeiros, Marcelo Rubens Paiva e André Kitagawa

Vídeo: Chapa Quente

Leitura de trechos de peças de Bortolotto e do escritor Reinado Moraes

Sexta, 26

Cinema

Debate com Beto Brant

Exibição do longa Getsêmani

Sábado, 27 

Poesia

Debate com o poeta Ademir Assunção

Leitura de poemas

Domingo, 28

Música

Debate com Paulo de Carvalho

Show da banda Saco de Ratos

 

Mais conteúdo sobre:
Bortolotto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.