Borges morreu virgem, diz ex-empregada

A ex-empregada doméstica do falecido escritor argentino Jorge Luis Borges garantiu à revista americana Loft que o autor de Aleph e O Livro de Areia morreu virgem, apesar de ter sido casado duas vezes. "O coitadinho nunca teve nada com nenhuma mulher", afirmou Epifanía Uveda de Robledo, a Fanny, que durante 40 anos foi empregada doméstica de Borges, até ser despedida por María Kodama, viúva do escritor. Fanny, que hoje vive modestamente em um bairro popular de Buenos Aires, assegurou à revista que Elsa Astete Millán, que esteve casada dois anos e meio com Borges, contou-lhe que o autor chegava a "tremer se encostasse nela casualmente".Segundo a ex-criada, o casamento com Elsa foi sugestão da mãe do romancista, Leonor Acevedo, com a qual viveu até sua morte. Fanny diz que antes do casamento, Leonor teria avisado a Elsa que Borges não queria compartilhar a cama com ela. E que o casal, embora dividisse a mesma casa, dormia em camas separadas. De acordo com Fanny, nem mesmo María Kodama, a segunda mulher do escritor, repartiu o leito com ele. "Não era algo que lhe interessasse, tinha pânico." Fanny não mantém boas relações com Kodama. Ela acusa a viúva de ter feito Borges mudar seu testamento para prejudicá-la.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.