Booker Prize barra americanos

Escritores americanos não poderão disputar o Booker Prize, o mais importante prêmio literário britânico. Conforme anúncio feito hoje pelos organizadores, o Booker Prize segue restrito a escritores da comunidade britânica (Commonwealth) e irlandeses. Da comunidade britânica, fazem parte, além do Reino Unido, grande parte de suas ex-colônias, como o Canadá e a Austrália, mas não os Estados Unidos.A sugestão de incluir americanos levantou polêmica desde sua origem, no primeiro semestre, motivando especulações sobre uma possível queda-de-braço entre os círculos literários americano e britânico. Mas os organizadores reafirmaram hoje que o Booker Prize é uma homenagem aos escritores da comunidade britânica e deve manter suas regras. "É sobre isso que o prêmio construiu sua reputação ao longo de 35 anos", disse Martyn Goff, que administra o Booker Prize.Este ano, o vencedor do prêmio foi o canadense Yann Martel, com Life of Pi. Na final, Martel derrotou escritores de País de Gales, Irlanda, Austrália e dois conterrâneos. A escolha levantou polêmica e suspeita de plágio. Life of Pi parte de um argumento de Max e os Felinos, do escritor gaúcho Moacyr Scliar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.