Bonnie, Clyde e a psicanálise segundo Penn

Hitch - Conselheiro Amoroso

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2012 | 03h10

15H50 NA GLOBO

Hitch). EUA, 2005. Direção de Andy Tennant, com Will Smith, Eva Mendes, Kevin James, Amber Valetta, Julie Anne Emery, Robinne Lee.

Will Smith faz médico de sentimentos, que ensina a seus clientes princípios básicos para que eles sejam felizes em suas relações. O caso mais renitente é o de Kevin James, que se apaixona pela herdeira Amber Valetta, mas aí o próprio dr. Smith se envolve com Eva Mendes (e ela resiste a suas receitas). O diretor Tennant começa bem sua comédia, mas depois ela fica desnecessariamente complicada, mas não a ponto de deixar de ser divertida. Reprise, colorido, 105 min.

O Tesouro Da Vinci

22 H NA REDE BRASIL

(The Da Vinci Treasure). EUA, 2006. Direção de Peter Mervis, com C. Thomas Howell, Lance Henriksen, Nicole Sherwin, Alexis Zibolis.

Depois de O Código Da Vinci, tudo associado ao gênio renascentista virou uma mina de ouro (e motivo de curiosidade para o público). Aqui, investigando pistas deixadas por Da Vinci em suas obras, o pesquisador C. Thomas Howell descobre um tesouro, mas o problema é que há gente 'do mal' em seu encalço. Ação, mas não espere nada muito especial. Reprise, colorido, 91 min.

O Sequestro do Metrô 123

22H20 NA GLOBO

(The Taking Of Pelham 123). EUA, 2009. Direção de Tony Scott, com

Denzel Washington, John Travolta, John Turturro, Luis Guzman, Michael Rispoli, James Gandolfini.

O filme antigo de Joseph Sargent, de 1974, foi considerado muito violento na época, mas era bom demais e Walter Matthau e Robert Shaw tinham atuações eletrizantes. O remake torna mais complicado o que era duro (e sucinto) no original, mas o embate entre John Travolta, como o sádico que sequestra trem do metrô, e o funcionário que vai tentar resolver a parada (Denzel Washington) não nega fogo. O diretor Scott e Denzel fizeram vários filmes juntos, alguns bons. Este não é dos melhores, mas Travolta, de vilão, tem um de seus grandes papéis. Inédito, colorido, 106 min.

O Fado - Uma Nostalgia

Atlântica

0 H CULTURA

(O Fado - Une Nostalgie Atlantique). França, 1997. Direção de Evelyne

Ragot.

Na sua origem, o fado era o canto tradicional de marinheiros, evocando o monótono murmúrio do mar. O documentário da francesa Evelyne Ragot busca decifrar uma característica importante dessa expressão musical - a nostalgia, que põe foco na 'saudade', como representação da alma portuguesa. Só para ouvir Madredeus e Amália Rodrigues já vale sintonizar na emissora. Reprise, colorido, 55 min.

Os Encrenqueiros

2H10 NA REDE BRASIL

(Botte Di Natale / The Night Before Christmas). EUA/Itália/Alemanha 1994. Direção e interpretação de Terence Hill, com Bud Spencer, Anne Kasprik, Jerry Gardner, Michael Huddleston.

Paródia de western que foi o último filme da dupla Hill/Spencer. Terence Hill faz o pistoleiro mais rápido do Oeste, forçado pela mãe a procurar seu irmão caçador (Bud Spencer). A velhinha quer comemorar seu último Natal com os filhos reunidos... O humor é pastelão, mas, apesar disso, ou por isso, o público sempre gostou da dupla. Reprise, colorido, 105 min..

Sexo com Amor?

2H25 NA GLOBO

Brasil, 2009. Direção de Wolf Maya, com Reynaldo Gianecchini, Malu Mader, José Wilker, Carolina Dieckmann, Eri Johnson, Marília Gabriela.

Quando três crianças são surpreendidas com um livro erótico na escola, seus pais são chamados pela coordenação. O filme é sobre os três casais, de diferentes idades e níveis, que atravessam momentos difíceis de suas vidas. O grande problema é a falta de estímulo sexual... Sexo com (ou sem) amor? A produção é caprichada, o elenco tem gente boa, aliás, ótima, mas o diretor Maya segue fazendo TV no cinema. Reprise, colorido, 96 min.

TV Paga

Bonnie and Clyde - Uma

Rajada de Balas

22 H NO TCM

(Bonnie & Clyde). EUA, 1967. Direção de Arthur Penn, com Warren Beatty, Faye Dunaway, Gene Hackman, Estelle Parsons, Michael J. Pollard, Denver Pyle, Gene Wilder.

Um dos grandes filmes dos anos 1960 - e de toda a história do cinema. David Newman e Robert Benton escreveram um roteiro que ofereceram a autores da nouvelle vague francesa (François Truffaut e Jean-Luc Godard), mas quem assumiu o comando foi um homem de confiança do ator e produtor Warren Beatty, Arthur Penn. Ele fazia, na época, um cinema psicanalítico, identificando o revólver com o pênis. Warren Beatty e Faye Dunaway formam o famoso casal de assaltantes de bancos dos anos 1930. Ela quer excitação, ele é impotente e, já que a dupla não tem sexo, a compensação vem por meio da vida de crimes, que integra o irmão de Clyde, a mulher dele e um garoto com quem se forma uma espécie de 'ménage à trois casto'. O filme tem uma primeira parte movimentada e divertida (e a música de banjo realça isso). A cena do milharal divide os tempos e a segunda parte é mais densa, e trágica. Bonnie e Clyde fazem sexo, buscam uma segunda chance, mas a caçada da polícia fecha-se sobre eles. Um filmaço. Reprise, colorido, 111 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.