Boni lamenta o baixo nível na Globo

José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, ex-todo-poderoso diretor da Globo, concedeu uma entrevista polêmica à revista Meio& Mensagem. Nela, Boni não poupou críticas à emissora de Roberto Marinho. Para ele, a Globo não vem explorando como deveria sua participação e condição de líder entre os canais da televisão brasileira. Ele diz que os concorrentes se mantêm atrás porque lhes falta ousadia para enfrentar a emissora carioca. Boni também deixou claro que o Padrão de Qualidade, implantado em sua gestão à frente da emissora, foi esquecido. "É como entregar de graça para o inimigo parte do território conquistado arduamente. Houve problemas de mercado, mas o planejamento da competição foi malfeito. Um líder com 50% de audiência não pode ficar disputando guerra de audiência de maneira insana, usando as táticas do inimigo", disse ele. Essas mudanças de última hora na programação, segundo ele, têm nivelado a televisão por baixo. "O Roberto Marinho primava pela paciência. Nós chegamos quando a empresa devia US$ 8 milhões, uma dívida aparentemente impagável. Ele perguntava: Quanto tempo para chegar a algum resultado? Respondíamos de três a cinco anos. Hoje se falo isso me matam", disse Boni.

Agencia Estado,

18 de fevereiro de 2003 | 09h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.