Boni cobra democratização da TV

Fila para cumprimentá-lo, um cordão de "admiradores" atrás, muita rasgação de seda e convidados especiais na platéia. Foi assim a participação de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, no segundo dia do Congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA). Mesmo com tamanho tratamento vip, Boni não conteve suas críticas ao setor. Em sua palestra no evento, anteontem, o executivo falou da necessidade a TV paga investir em conteúdo nacional e cobrou do setor criatividade para tentar dividir com a TV aberta as migalhas do mercado publicitário deixadas pela Globo. "A crise na TV aberta, em que a Globo fica com 80% da verba publicitária e o restante dos canais se chafurda na lama pelos 20 %, é uma oportunidade para a TV por assinatura crescer, usando a segmentação", disse Boni. "Eu participei da chegada da TV paga ao Brasil e posso dizer que cometemos todos os erros possíveis. Começamos criando quatro canais para nenhum assinante", continuou ele. "Aprendemos com os erros e agora está na hora de repensar o conteúdo da TV paga, não adianta seguir os padrões mundiais. Se fomos diferentes na TV aberta, seremos também na TV paga. É preciso democratizar a televisão."Boni abriu a palestra contando histórias divertidas de seus 50 anos de TV e citando filósofos. Bem-humorado, disse que seria necessário dois anos de debate para resolver algumas das questões levantadas no evento e aproveitou para agradecer a presença de alguns convidados na platéia, entre eles, Regina Duarte e Mônica Waldvogel. E emendou: "Sou um homem de TV, paga ou aberta, eu entendo de TV."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.