Bolsa Vitae anuncia nomes dos 26 vencedores

Foram divulgados hoje os nomes dos vencedores da 14.ª Bolsa Vitae de Artes, que concede prêmios a 26 artistas das áreas de literatura, música, teatro e dança para realizarem ou concluírem projetos de criação e pesquisa. Os 26 contemplados foram selecionados entre 403 candidatos de todo o País e receberão R$ 2.800,00 mensais durante períodos que podem variar de 6 a 12 meses.É o 14.º ano ininterrupto da concessão da Bolsa Vitae, um dos mais prestigiosos estímulos artísticos realizados no País e que já patrocinou a realização de 340 projetos em oito áreas distintas, que se alternam a cada ano. As inscrições, abertas de julho a agosto, são para as áreas de artes visuais, fotografia, cinema e vídeo (nos anos pares) e literatura, música, teatro e dança (nos anos ímpares)."Viu que maravilha?", festejou o escritor Wilson Bueno um dos contemplados na área de literatura. Bueno está escrevendo o romance "Amar-te a Ti nem Sei se com Carícias", que reflete sobre o fim do século 19 ao narrar as aventuras de um bacharel de Direito influenciado por Alexandre Herculano e Machado de Assis. É o nono livro de Bueno.Mais que um escritor, Bueno é um agitador cultural. Foi o criador e editor de um dos mais influentes jornais de cultura do País, o extinto Nicolau, que circulou entre 1987 e 1994. "Não era um jornal de escolas nem de grupos", lembra o autor. "Procurou refletir um pouco da inteligência brasileira e cumpriu um ciclo."Rosyane Trotta, mestre em Teatro pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, ganhou a bolsa com um projeto no mínimo polêmico. "É curioso imaginar que o samba nasceu de um roubo", diz Rosyane, que pretende fazer uma biografia do compositor Ernesto Santos, o Donga, como base para o texto teatral O Homem Que Vendeu o Samba.Em 1916, Donga registrou o samba Pelo Telefone, tornando-se oficialmente o primeiro compositor do gênero. De acordo com Rosyane, Pelo Telefone não foi composta por Donga mas é fruto de improvisos musicais de grupos negros e mestiços na casa de Tia Ciata, no Rio no início do século 20.Em sua peça O Palhaço e a Rebelião, montada no ano passado, Rosyane embrenhou-se pela história do palhaço Benjamim de Oliveira, ex-parceiro de Donga, e acabou levantando subsídios para o projeto. Mas, segundo ela, a idéia não é revisionista. "Interessa-me a personalidade de Donga, o conflito e o amor entre ele e os criadores de samba", pondera.A atriz Mariana Lima, que atuou recentemente na revolucionária montagem O Livro de Jó, de Antonio Araújo, e também foi atriz de telenovelas, como O Rei do Gado, pretende registrar a experiência de colaboração que ocorre numa montagem teatral. Trata-se de um texto teórico. Segundo Mariana, é possível sistematizar esse processo e trazê-lo à luz do fazer teatral, e é o que pretende com seu trabalho, que terá como base a sua atuação em grupo com a companhia Teatro da Vertigem.Além da produção teórica e prática, a Bolsa Vitae também apóia este ano, na área de música, uma importante iniciativa. Trata-se do catálogo de obras de compositores que produziram entre 1870 e 1945 pelo pesquisador Sérgio Nepomuceno Alvim Corrêa, diretor administrativo da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira. Ex-diretor artístico da gravadora Imagem e criador de programas da Rádio MEC, Corrêa colaborou na produção da Enciclopédia da Música Brasileira Erudita e Popular, da Art Editora.Duas grandes revelações da dança atual, os bailarinos e coreógrafos Sonia Mota e Sandro Borelli vão pelo caminho da investigação do movimento. Borelli vai aos hospícios em busca do "movimento do delírio" e Sonia sistematiza seu próprio método, criado em 1976.Abaixo a lista dos vencedores da Bolsa VitaeTeatroGianni RattoAna Maria AmaralMariana LimaSilnei SiqueiraHamilton Vaz PereiraRosyane TrottaMúsicaAlmeida PradoPaulo CastagnaIon BressanSérgio Nepomuceno Alvim CorrêaRoberto VictorioSuely Ventura BrígidoHélio Bacelar VianaDançaMaria MommensohmSonia MotaCristiane Paoli QuitoSandro BorelliAndréa BardawilPatrícia AzevedoCarlos MartinsLiteraturaArmando Freitas FilhoWilson BuenoAntonio Fernandes BorgesJosely Vianna BaptistaHeitor FerrazCristiane Costa

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.