"Blue Jeans" ganha versão 2001

Blue Jeans, peça de Zeno Wilde e Wanderley Bragança sobre a prostituição masculina, lançou galãs como Fábio Assunção e Maurício Mattar e consagrou-se como um dos maiores sucessos de público dos anos 80. Talvez por isso o diretor Wolf Maya tenha escolhido montar o texto, pela terceira vez, para inaugurar o estúdio e escola de interpretação que levam seu nome.A versão 2001 de Blue Jeans (as anteriores são de 1981 e 1991) reúne Danton Mello, Marcos Pasquim e outros 19 atores bailarinos e recria, no palco, os becos e o submundo de uma grande cidade. É definida pelo diretor como "interativa" porque o público, acomodado em cadeiras móveis, pode escolher onde se sentar. A sala em que o espetáculo fica em cartaz é um estúdio de televisão que se transforma em teatro com capacidade para receber 300 pessoas na platéia.O musical Blue Jeans estreou ontem e pode ser visto às quinta e sextas às 21h30, aos sábados às 20h e 22h30 e aos domingos às 20 h no Studio Wolf Maia (Shopping Frei Caneca, 3.º piso, tel.: 3472-2424). O ingresso custa R$ 50.

Agencia Estado,

05 de outubro de 2001 | 11h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.