"Black-Tie" volta a brilhar no palco

Na passagem do bastão, somam-se 43 anos de distância. E Eles não Usam Black-Tie, clássico da dramaturgia nacional, sucesso maciço de público e crítica no final dos anos 50, volta à cena paulistana com Sebastião Vasconcelos ocupando o posto que era de Eugênio Kusnet (Otávio); Ana Lúcia Torre, no papel de Lélia Abramo, como Romana, e Eduardo Moscovis, como Tião, personagem que foi de Gianfrancesco Guarnieri, que escreveu a peça. A montagem da carioca Cia. de Teatro Brasileiro emplaca no século 21 a responsabilidade que foi do teatro de Arena, em 1958. Só o autor é o mesmo, a despeito da idade. Guarnieri, de 66 anos, assistiu, se emocionou e aprovou a peça que ficou em cartaz no Rio, ano passado."A peça é excelentemente contraditória ao contrapor o épico (a greve, os temas sociais e coletivos) ao individual (Tião encarna o herói individual que se choca contra isso)", comenta o diretor Marcus Faustini, 28 anos. "E tem também o folhetim, representado pela família, confirmando as influências do neo-realismo italiano na peça", completa. No entanto, ele ressalta que o tema que persegue a peça toda é a solidariedade. Daí ter enfatizado na montagem muitos momentos de pausas, em que os gestos dos atores num abraço ou ao dividir o pão explicitam o tema de base.Guarnieri, em entrevista por telefone, disse dever muito à direção de Faustini. "Temos a mesma compreensão do texto, até esteticamente falando", elogia. Para o autor de 66 anos, um dos fundadores do teatro de Arena, trata-se da segunda montagem profissional do texto e carrega o mérito de não privilegiar nenhum elemento em cena, priorizando o conjunto. "É terrível quando algo ou alguém chama muita atenção. Mas quando o coletivo chama a atenção, eu gosto!"A montagem de Black-Tie resulta do trabalho de valorização e pesquisa do teatro nacional, empreendido pela Cia. de Teatro Brasileiro, por meio de leituras dramáticas e debates promovidos no Rio de Janeiro. Foi considerado pela crítica especializada carioca como um dos dez melhores espetáculo de 2000. A Cia. prepara-se agora para montar O Pagador de Promessas, com os atores Ricardo Blat e Adriana Esteves, entre outros. Eles não Usam Black-Tie. Drama. De Gianfrancesco Guarnieri. Direção Marcus Vinícius Faustini. Duração: 1h40. Sexta e sábado, às 21h30; domingo, às 19 horas. R$ 25,00 e R$ 30,00 (sábado). Teatro Ruth Escobar - Sala Gil Vicente. Rua dos Ingleses, 209, tel. 289-2358. Até 27/5.Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.