Bistrot Jaú consegue ser bom em tudo

O chefe francês Marc le Dantec é discreto, não gosta muito de aparecer, mas já conseguiu imprimir a sua marca ao Bistrot Jaú. O cardápio reúne alguns clássicos franceses com algumas receitas mais ousadas, criativas. É uma cozinha de bistrô adaptada ao paladar da cidade, pois oferece também algumas massas. Marc chegou recentemente ao Brasil e teve a sorte de contar com a ajuda de Laurent Suaudeau para sua adaptação aos usos e ingredientes locais. E está se saindo muito bem no restaurante que funciona no mesmo flat que abrigou o mais clássico e fino Laurent Suaudeau, que hoje se dedica a dar assessoria a outras casas e a ensinar. O espaço ficou um pouco mais quente, com paredes num tom de bordô bem vivo, belas fotos de Paris e de personagens famosos. Fotos em branco e preto de grandes artistas, como Robert Doisneau, Cartier-Bresson e outros. O mesmo bar no centro e as 16 mesas ao redor. O cardápio é interessante, com muitos pratos que atraem a atenção e dificultam o pedido. Nele, seis entradas frias entre R$ 12 (o carpaccio de filé mignon) e R$ 22 (a salada de camarões e chips de batata doce); seis entradas quentes entre R$ 14 (o creme de mandioquinha ao alho-porro) e R$ 57 (o escalope de foie gras ao salsão batata); cinco massas e risotos entre R$ 19 (o nhoque de milho verde ao parmesão) e R$ 29 (o risoto de camarão); seis peixes e crustáceos entre R$ 26 (o cherne em crosta de gergelim e delice de abobrinha) e R$ 45 (os camarões refogados com gengibre e manjericão); seis carnes e aves entre R$ 26 (o filé mignon ao molho de vinho tinto "bordelaise" e batata boulangère) e R$ 38 (o faisão em conserva ao molho de framboesa e arroz selvagem) e sete sobremesas entre R$ 9 (a panqueca com as frutas da temporada) e R$ 10 (cheesecake com creme de goiaba). O serviço continua eficiente e a carta de vinhos é bem razoável, com boas opções, como o Marques de Borba, um belo vinho do Alentejo (R$ 48). Taças perfeitamente apropriadas ao serviço de vinhos. O jantar agradou em cheio. Nenhum problema, das entradas às sobremesas. Delicioso o fricassé de rã com favas e grãos (R$ 16). As coxas das rãs desossadas com favas e um molho delicioso, de palmito decorado com gotas de urucum. Muito bem concebido e executado com perfeição. Boa a salada de alcachofras com parmesão (R$ 18), ideal para quem prefere pratos mais leves e dietéticos. Os fundos de alcachofra cortados em lâminas finíssimas, como as do carpaccio, num molho delicado, com salada verde e lascas de parmesão por cima. Entre os pratos principais, um destaque para o jarrret de veau (R$ 28). O ossobucco da vitela inteiro, com o osso, sem ser cortado em fatias, muito bem cozido, se desmanchando, com um delicioso toque de especiarias. Excepcionalmente, foi servido com um ótimo nhoque de milho verde com parmesão. Muito boas ainda as costelinhas de vitela num molho de vinho branco e vegetais. Para terminar, um delicioso parfait de framboesa e laranja sobre uma base de pão-de-ló (R$ 11) e um tradicional creme brulée (R$ 9). Café expresso realmente muito bom.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.