Biquínis da Água de Coco abusam da brasilidade

Sem medo de brasilidade, a Água de Coco trouxe uma coleção farta de temas nacionais. Reafirmou as cores das frutas tropicais na escolha dos apliques e estampas, a fauna e a flora. Um Brasil exportação, sim, mas um belo Brasil. O cenário compôs a idéia. Entre painéis com imagens das matas e animais nacionais, as modelos desfilaram uma gama de modelos, que, no princípio, teve destaque para o off-white, com motivos e detalhes de pássaros, entre eles os tucanos e as araras. A partir daí a cor veio com tudo, em duplas combinações, como azul e amarelo, o verde o azul (que aparece como uma das tendências da estação) e o laranja e o vermelho. Em seqüência, uma série melancia, uma amarela (com destaque para uma saída de banho com forma étnica) e o preto, nem todo preto (apenas a base para os modelos, já que a cor prevalece na coleção), fechando o desfile. O corte é um dos seus destaques, pois embora haja a presença de modelos tradicionais como cortininha, há nessa coleção recortes, tiras cruzadas e franzidos, que dão um outro colorido aos temas da marca.Yasmin Brunet encenou, na passarela, a morena brasileira. Mas ainda falta-lhe o tal suingue, de modelo. Já a música, ajudou a composição da atmosfera nacional: bossa e novos baianos.Veja Galeria

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.