Biografia une o ingênuo com o refinado

No circo, acontecia o teste definitivo: se a plateia risse, a piada era certamente incorporada ao próximo filme. Assim funcionava a técnica de Amácio Mazzaropi, que se revelou infalível como comprova sua carreira cinematográfica: em 30 anos de cinema, Mazzaropi teve a chance de estrelar 32 longas, dos quais 14 ele dirigiu. E todos conquistando grande sucesso.

, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2010 | 00h00

Essa é uma das revelações apresentadas pela pesquisadora Marcela Matos, autora de Sai da Frente! ? A Vida e a Obra de Mazzaropi, livro recém-lançado pela editora Desiderata.

Trata-se de uma cuidadosa biografia do homem que, em Taubaté, montou uma produtora (PAM Filmes) e um império comercial a partir dos anos 1940.

Ao contrário da rival Vera Cruz (estúdio paulista que investia em talentos estrangeiros), Mazzaropi apostava na simplicidade em filmes que geralmente traziam o mesmo ponto de partida: o caipira envolvido com espertalhões que acabam enganados pela sua falsa inocência.

"Mazzaropi era uma incrível figura", constata Mário Viana. "Ao mesmo tempo em que encarnava o brasileiro capiau, deslocado na cidade grande, ele também era um homem refinadíssimo, que adorava ir às estreias do Teatro Brasileiro de Comédia." Marcela Matos, no entanto, preferiu a discrição e não comentou os supostos boatos sobre o homossexualismo do comediante. / U.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.