Biografia de Matisse ganha o Whitbread de literatura

Contra todas as previsões, a segunda parte de uma biografia de Matisse, que a autora Hilary Spurling passou 15 anos escrevendo, ganhou hoje o prêmio Whitbread de melhor livro do ano, equivalente a 36.250 euros.Matisse The Master, que cativou o jurado por sua qualidade narrativa e grande material inédito sobre o artista, ganhou do livro infantil The New Policeman, de Kate Thompson, que ficou em segundo lugar.A obra de Hilary, que inclui a correspondência do pintor francês com sua família e documentos obtidos de arquivos particulares, é uma seqüência do primeiro volume intitulado The Unknown Matisse (O desconhecido Matisse), e descreve uma vida marcada pelo desespero e inseguranças que, sem dúvida, se refletiram em uma arte serena."De alguma maneira, a autora conseguiu traçar um esboço da vida do artista que é acessível a todo mundo, inclusive para quem não está familiarizado com o mundo da arte", assinalou o presidente dos jurados Michael Morpurgo.Desde a criação do prêmio Whitbread, em 1985, é a quinta vez que uma biografia conquista o prêmio, o mais prestigiado do Reino Unido depois do Booker Prize.Residente em Londres, Hilary, de 65 anos, escreve para os jornais The Daily Telegraph, The Observer e The New YorkTimes, e entre suas obras literárias está uma biografia deSonia Orwell, a esposa de George Orwell.O Whitbread escolheu o melhor livro do ano entre cinco obras já premiadas anteriormente nas categorias de poesia, biografia, literatura infantil, romance de estréia e melhor romance.The New Policeman, de Thompson, que ficou em segundo lugar, após uma disputa muito grande, segundo os jurados, é uma história de intriga ambientada em Kinvara, um pequeno povo da costa oeste da Irlanda. Estava na disputa também a escritora Ali Smith, que figurava como favorita ao prêmio com seu terceiro romance, The Accidental, que conta a história de uma jovem cujas férias junto com a família em um povoado inglês são interrompidas com a chegada de um misterioso forasteiro.Outro candidato era Tash Aw, com seu primeiro romance The HarmonySilk Factory, ambientado na Malásia entre 1939 e 1940 e que relataa história de três homens e uma mulher em sua viagem pela selva deste país.O quinto candidato ao prêmio Whitbread era Christopher Logue, por seu livro de poesias Cold Calls, uma recriação contemporânea da Ilíada, de Homero.Desde sua criação, o prêmio Whitbread de melhor livro foi concedido sete vezes a um romance, três a um primeiro romance, cinco a uma biografia (incluindo a ganhadora desta edição), cinco por um livro de poemas e apenas um livro de literatura infantil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.