Bill T. Jones e as tragédias humanas, no Teatro Municipal

Estava tudo certo para que a Bill T.Jones/Arnie Zane Dance Company se apresentasse no dia 12 de setembro de 2001 no World Trade Center em Nova York. A tragédia do dia anterior mudou, não apenas a programação da companhia, como também levou o grupo a uma profunda reflexão. Em "Another Evening: I Bow Down", em cartaz nesta sexta-feira e no sábado no Teatro Municipal, Bill T. Jones aborda as experiências pessoais diante das adversidades, principalmente diante das catástrofes naturais.Diferentemente de espetáculos anteriores, os dez bailarinos dividem o palco com músicos que tocam ao vivo. A trilha foi criada por Daniel Bernard Roumain, que mistura música eletrônica por meio de um laptop, com instrumentos clássicos como piano e violoncelo, e o heavy metal da banda Regain The Heart Condemned. "A trilha é o fio condutor do espetáculo. Há um ano conheci o compositor russo Anton Batagov, que compartilhou comigo a sua composição "Thirty Five Prostration to the Buddha". Nunca pensei em usar uma oração budista em um espetáculo se ele não tivesse me convencido de que ela estava tão bem incorporada à música. Essa composição introspectiva, calma e que evoca a meditação, se contrapõe ao som agressivo e niilista do "Regain The Heart Condemned e ao prelúdio da ópera Parsifal", de Wagner, que seria um momento de veneração", diz Bill. Os músicos ficam acomodados no fundo do palco. Outro elemento novo na produção da companhia é a presença da atriz Andréa Smith, que assina os textos do espetáculo com o coreógrafo.Bill T. Jones explica que usa elementos coreográficos somados aos musicais e ao teatro. "Fazemos uma combinação e recombinação desses elementos. No entanto, este é um trabalho em curso, que busca a exploração constante desses, da dança e da música." "Another Evening: I Bow Down" discute as catástrofes de uma maneira geral. "Penso no Katrina ou no atentado de 11 de setembro como desastres e tragédias que podem acontecer a qualquer momento, em qualquer parte do mundo. A coreografia não faz uma menção ao Katrina como um elemento exótico de exportação, nem às torres gêmeas como algo único. Este é o mundo em que vivemos agora e o melhor que temos a fazer é entender qual o nosso lugar aqui e o que se pode fazer para melhorar."O que intriga o coreógrafo é a capacidade de o ser humano superar as destruições. Como este é um espetáculo aberto, em cada lugar que se apresenta o coreógrafo faz menção a uma tragédia ecológica local. No Brasil, a referência será um incidente ecológico de 1966. Bill parte de temas bíblicos, como o Dilúvio e a Arca de Noé até hoje."Another Evening: I Bow Down" insere-se na trajetória de 24 anos do coreógrafo, marcada pela luta, através da dança, contra injustiças, preconceitos, racismo e outras formas de discriminação. A dupla é um marco na dança contemporânea americana. Bill T. Jones. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, 3222-8698. Hoje e amanhã, 21 horas. R$ 10 a R$ 120

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.