KENA BETANCUR | AFP
KENA BETANCUR | AFP

Bill Cosby é liberado após pagar fiança de US$ 1 milhão

Audiência preliminar para o caso foi marcada para 14 de janeiro

O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2015 | 20h50

O comediante norte-americano Bill Cosby, 78, se apresentou à Justiça da Pensilvânia, nos EUA, após ter mandado de prisão expedido por abuso sexual, nesta quarta-feira (30). Cosby foi liberado após pagar uma fiança estipulada em US$ 1 milhão (cerca de R$ 4 milhões), além de ter que entregar o passaporte. Uma audiência preliminar para o caso foi marcada para 14 de janeiro.

A acusação está relacionada ao fato de ele ter, supostamente, drogado e abusado sexualmente de uma ex-funcionária da Universidade de Temple, em janeiro de 2004, disse Kevin R. Steele, primeiro procurador-geral assistente do condado de Montgomery, em entrevista coletiva. “Hoje, após o exame de todos os indícios, podemos buscar justiça em nome da vítima”, afirmou Steele. O incidente teria ocorrido na mansão de Cosby, localizada em Elkins Park, na região da Filadélfia.

De acordo com a People, que fala em fontes anônimas, a suposta vítima, Andrea Constand, de 42 anos, trabalha como massagista em Ontário, no Canadá. A mulher não comentou o caso. Steele disse que novas informações sobre o caso vieram à luz este ano e que a vítima está disposta a cooperar.

Além dela, outras 50 mulheres já foram a público acusando o comediante de tê-las drogado e, em muitos casos, atacado sexualmente. Alguns incidentes ocorreram décadas atrás, e muitos deles já prescreveram. O caso atual prescreve em janeiro próximo.

Cosby vem negando repetidamente ter cometido qualquer delito. No dia 14 de dezembro, ele abriu um processo por difamação contra sete dessas mulheres que o acusaram de abuso. O ator rotulou as acusações como “malvadas, oportunistas, falsas e difamatórias”, e de serem “uma mera tentativa para conseguir dinheiro” e “arruinar” sua reputação.

Segundo sua advogada, as acusações lhe causaram e continuam lhe causando dor substancial e danos à sua reputação, vergonha, mortificação, danos a suas propriedades, empresas e profissão.

Tudo o que sabemos sobre:
Bill CosbyCulturaTelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.