Bienal faz visitante rir

Visitar a Bienal durante o fim de semana pode ser um programa muito divertido, já que uma das características marcantes desta 25.ª Bienal Internacional de São Paulo é a possibilidade de interação do público com as obras expostas.Um dos artistas que atrai público ao seu estande é o carioca Marcos Chaves, de 41 anos, com seu trabalho Morrendo de Rir, composto de 16 fotografias enormes, com 215cm X 185cm, do rosto do próprio artista morrendo de dar risada.É sua forma de retratar o brasileiro, que mesmo na extrema pobreza ou diante da desgraça sempre escapa pela via do humor.Mas o visitante pode encontrar imagens impactantes, como das grandes metrópoles, com destaque para as fotografias do norte-americano Dou Hall. As fotos são clássicas, mas os espaços gigantescos dão uma dimensão épica à sua obra e convidam o olhar a pesquisar cada detalhe da imagem.Um contraponto pode ser visto nas Salas Especiais, nas imagens que marcaram a arte norte-americana dos anos 70, criadas a partir de figuras recortadas e coladas formando um mosaico sui-generis e que fizeram o nome do artista Jeff Koons.Veja o Especial Bienal e programe sua visita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.