Bienal do Rio terá Rushdie e Llosa

Dois grandes nomes prometem atrairas atenções da próxima Bienal do Livro do Rio de Janeiro, queocorre entre 15 e 25 de maio: o do indiano Salman Rushdie e o doperuano Mario Vargas Llosa. Rushdie vem para lançar no País seuromance Fúria (Companhia das Letras), em que faz uma críticaà indústria cultural invocando personagens da literatura comoPinóquio e Frankenstein. Vargas Llosa também vem promover umnovo romance: O Paraíso na Outra Esquina (Arx), que deve serlançado em espanhol em março e, em português, em maio. A Record planeja publicar em português, em 2003, oprimeiro volume da autobiografia do colombiano Gabriel GarcíaMárquez, Viver para Contar. Entre as traduções, também sedestacam uma nova versão de Os Demônios, de Dostoievski (ed.34), ainda sem data, e a primeira edição em português de OsInvictos, de William Faulkner, em fevereiro. Bons lançamentos, normalmente fracos no começo do ano,já começam a ocorrer. Ainda em janeiro, a editora Bem-Te-Vilança livro com a correspondência de Mário de Andrade e CarlosDrummond de Andrade, Carlos & Mário. Muitas obras de pensadores de esquerda também chegam aomercado, impulsionadas pelo Fórum Social Mundial, que ocorre emPorto Alegre, de 23 a 28 de janeiro. Entre os destaques, estãoobras do português Boaventura de Souza Santos (Reconhecer paraLibertar: Os Caminhos do Cosmopolitismo Multicultural, Record) do húngaro István Mészaros (O Século 21 - Socialismo ouBarbárie?, Boitempo) e do palestino Edward Said (Cultura ePolítica, Boitempo). No campo da política, o ano promete um lançamento quevai, certamente, causar polêmica. A Arte da Política, deFernando Henrique Cardoso (Record), ainda sem data de lançamento deve tratar de sua passagem pela Presidência. Também estãoprevistos novos volumes da história de Elio Gaspari do regimemilitar brasileiro (Companhia das Letras). Entre as universitárias, a editora da Unesp deve lançarum interessante balanço da influência das idéias dos portuguesesexilados no Brasil pelo regime salazarista, e a Editora da UnB,uma série de obras do sociólogo alemão Max Weber.

Agencia Estado,

14 de janeiro de 2003 | 16h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.