Bienal do Livro termina em clima de liquidação

A 12.ª Bienal Internacional do Livro terminou neste domingo com o Riocentro lotado e em clima de liquidação. Os 944 expositores queimaram os estoques e quase ninguém saiu sem pelo menos um volume. O público superou expectativas mais otimistas. Só no fim de semana, foram 160 mil visitantes, 40 mil a mais que o esperado.O sábado de sol levou 89 mil pessoas aos 55 mil metros quadrados da Bienal; o domingo chuvoso trouxe 70 mil visitantes. A estimativa para os 12 dias do evento é de 630 mil pessoas. O visitante mais ilustre do fim de semana foi o prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB). O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o senador José Sarney (PMDB-AP) estiveram lá na sexta-feira. Os organizadores do evento, o presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), Paulo Rocco, e o diretor da Fagga, Arthur Repsold, comemoraram os números desta edição da Bienal. "São números animadores, embora as 170 mil pessoas do fim de semana não estejam incluídas", avisou Rocco."O público cresceu 12,5% com relação a 2003 e a venda de livros, 44%, subiu de 1,6 milhão de volumes na última Bienal para 2,3 milhões desta vez. O faturamento bruto passou de R$ 36 milhões em 2003 para R$ 44 milhões este ano, ou seja, mais 17%."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.