Bienal do Livro quer mostrar uma nova cara

Evento será realizado entre 22 e 31 de agosto em São Paulo e receberá nomes como Ken Follett e Hans Ulrich Gumbrecht

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2014 | 00h33

Nem só de best-sellers será feita a 23.ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (22 a 31 de agosto), embora ela já tenha confirmado alguns nomões internacionais como Ken Follett, autor de Queda de Gigantes e Inverno no Mundo – que, juntos, venderam 160 mil exemplares no Brasil–, Cassandra Clare, da saga Os Instrumentos Mortais, e o autor de thrillers Harlan Coben. A inclusão de escritores brasileiros famosos pelas pequenas multidões que arrastam com eles, como Thalita Rebouças e Paula Pimenta, porém, ainda não foi decidida.

Como o Sesc está fazendo a curadoria da programação cultural, espera-se que os espaços de debate tenham mais a cara da instituição do que de grandes feiras cujo objetivo final é divulgar e vender livros. Na abertura, Fernanda Montenegro vai ler os sermões do padre Antônio Vieira acompanhada do Conjunto de Música Antiga da USP. Em outro momento, o crítico literário alemão e professor na Universidade Stanford Hans Ulrich Gumbrecht falará sobre o poder da crítica. Parte do que será realizado no Anhembi durante a feira foi apresentada ontem pela Câmara Brasileira do Livro e pelo Sesc em evento que contou com o pocket show Solidão no Fundo da Agulha, do escritor Ignácio de Loyola Brandão e de sua filha, a cantora Rita Gullo.

Segundo a presidente da Câmara Brasileira do Livro, Karine Pansa, a infraestrutura estará melhor em 2014, com um auditório montado no pavilhão especialmente para o evento. Outra novidade é que haverá ônibus gratuito também da estação Santana do Metrô – o outro ponto de partida é a estação Tietê. E o Vale-cultura será aceito na compra de ingressos e na aquisição de livros.

São esperados 480 expositores e 700 mil visitantes nesta edição, como em 2012. A CBL foi autorizada pelo Ministério da Cultura a captar R$ 10 milhões. "Mas está difícil, ainda não conseguimos todo esse valor", comentou Pansa.

A programação ainda não foi fechada, mas já estão confirmadas as presenças de Luiz Ruffato, Gabriel Bá, Fábio Moon, João Hansen, Miguel Conde, Almino Afonso, Maria Rita Kehl, Marcos Nobre, Jaime Ginzburg e Luiz Eduardo Soares, entre outros autores brasileiros e estrangeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.