Bienal do livro chega ao fim com 800 mil visitas

Depois de 11 dias de funcionamento, com a visita de cerca de 800 mil pessoas - expectativa da organização antes do balanço final -, a 19ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo acabou. Esta, que trouxe 320 expositores ao Anhembi e lançou 3 mil títulos, cobrou R$ 10,00 pelo ingresso e atraiu (esse sim, dado oficial) 390 mil pessoas nos seis primeiros dias - número que cresceu nos últimos dias, segundo a assessoria da Bienal."Se eu tivesse dinheiro, sairia com caixas de livros daqui", disse o estudante Vinícius de Oliveira, de 23 anos, que passeava neste domingo de mãos dadas pelos corredores com a namorada. Ele reclamou um pouco dos preços. "Deveria ser mais barato. Apesar que aqui dá sempre pra conseguir um desconto."Como Vinícius, o analista de suporte Valdinei Carlos da Silva, de 24 anos, fez da bienal um programa romântico. A diferença era a filha Laís, de 7 anos, forte consumidora. "Ganhei três livros, e fui eu que escolhi", disse orgulhosa.Orgulho mesmo foi o da estudante Fabiana Kodama, de 15 anos. "Eu li o livro do nenê inteirinho", disse. Trata-se de um livro infantil, "Diário de um Bebê", escrito por Nani, da Editora Record. É um livro pequeno, que se lê rapidamente. E Fabiana, que detesta ler, fez a façanha ali mesmo, no estande da Record. Ela não comprou nenhum livro. "Vim acompanhar minha prima; essa sim já comprou 13!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.