Bienal do Livro chega à reta final

A 18.ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo termina no domingo em busca de recordes. Se a marca de público pretendida (600 mil visitantes) pode não ser alcançada, o cartunista Ziraldo volta ao estande da editora Melhoramentos amanhã, a partir das 16 horas, a fim de autografar mais livros que na bienal do Rio do ano passado, quando assinou seu nome, em três dias, em 3.842 livros - até quinta-feira, a contagem deste ano contabilizava cerca de 3.200.Ziraldo é um dos destaques infantis da feira, que conta ainda com a presença de Ana Maria Machado no domingo, no auditório 5, onde, a partir das 15 horas, participa do debate Escrever é uma arte. Em seguida, ela segue para o estande da FTD para assinar livros dos fãs. No mesmo auditório, mas às 18 horas, Carlos Heitor Cony e Ana Lee encerram o Salão de Idéias com uma conversa com o público sobre os mistérios da literatura.E hoje tem Lygia Fagundes Telles. A escritora discute a partir das 20h30 no Salão de Idéias, com Silviano Santiago, Cristóvão Tezza e Luzilá Gonçalves Ferreira, os rumos da ficção brasileira no século 21. Amanhã ela volta à feira para lançar, a partir das 15 horas, no estande da editora Rocco, a coletânea Antologia - Meus Contos Preferidos (320 páginas, R$ 35). São 31 textos carinhosamente selecionados pela própria autora. "São como filhos para mim, daí tanto cuidado", diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.