Bienal de Veneza homenageia arquitetos da casa

A Itália acabou rendendo homenagem à própria Itália. Pelo conjunto de sua obra, os veteranos arquitetos italianos Renzo Piano, de 63 anos, e Paolo Soleri, de 81 anos, foram homenageados com o prêmio Leão de Ouro da 7ª Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, entregue esta tarde na cidade italiana.O veterano italiano Bruno Zevi também levou um Leão de Ouro por sua contribuição acadêmica à arquitetura. O dinamarquês Jern Utson foi o outro premiado pelo conjunto de sua obra arquitetônica. O pavilhão da Espanha levou um Leão de Ouro por ter sido, na opinião do júri, a melhor representação estrangeira da exposição. O artista russo Ilyia Utkin ganhou o prêmio de melhor fotógrafo de arquitetura, e o cubano Eduardo Luis Rodrigues, editor da revista Arquitetura Cuba, foi destacado por sua contribuição como jornalista da área. O prêmio mais importante da 7ª Bienal, a melhor interpretação do tema proposto, Menos Estética, Mais Ética, foi para o francês Jean Nouvel. O presidente da Fundação Guggenheim de Nova York, Thomas Krens, recebeu um Leão de Ouro como "patrono da arquitetura". Há um pouco de política nisso, já que Krens se decidiu recentemente pela abertura de um novo Museu Guggenheim em Veneza. A coleção Peggy Guggenheim deverá seguir para um novo prédio na Puntadella Dogana, que será inaugurado em 2003, com projeto de Vittorio Gregotti. O veterano arquiteto italiano Renzo Piano, contratado recentemente pela cidade de Veneza para fazer o projeto de restauro do Magazzini del Sale, recebeu pessoalmente seu prêmio. "Estou contente, estou confuso", disse Piano. "A arquitetura é um pouco como o espírito da vida: dramática, alegre, protagonista de mil paixões, mil tristezas." Dois discursos, o do Secretário-geral das Nações Unidas, Kohfi Anan, e o da ministra da Cultura da Franca, Catherine Trautman, lembraram a situação de calamidade por que passam cidades globalizadas como São Paulo, Las Vegas, Calcutá e Moscou.O Brasil está representado nesta mostra internacional de arquitetura, que abre para o público neste domingo e vai até 29 de outubro, pelos arquitetos João Filgueiras Lima, o Lelé, e Paulo Mendes da Rocha. Nenhum dos dois foi premiado pela organização da bienal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.