Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Bienal de São Paulo anuncia participantes da mostra de setembro

Curadores da 31.ª edição, já apelidada de 'Trans Bienal', apresentaram projetos de metade dos artistas convidados

Camila Molina, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2014 | 13h15

A equipe curatorial da 31.ª Bienal de São Paulo anunciou hoje, em coletiva de imprensa realizada na instituição, 32 projetos que vão compor a edição do evento, marcada para ocorrer a partir de 6 de setembro no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque do Ibirapuera. Dos criadores convidados apresentados, 9 são brasileiros, tendo como destaque as participações confirmadas do escultor Tunga, da coreógrafa Lia Rodrigues, além dos artistas nacionais Ana Lira, Armando Queiroz, Graziela Kunsch, Romy Pocztaruk, Virginia de Medeiros, do coletivo paulistano Contrafilé e da historiadora Lilian L'Abbate Kelian, da USP. De nomes internacionais da lista, muitos deles criadores desconhecidos do público brasileiro, vale destacar como veteranos o dinamarquês Asger Jorn (1914-1973), um dos fundadores do grupo CoBrA, a pintora norte-americana Jo Baer, nascida em 1929 e residente na Holanda, e o polonês Edward Krasinski (1925-2004).

Segundo o curador escocês Charles Esche, a mostra vai contemplar 75 projetos. "O passaporte não é importante", ele afirmou, sobre as nacionalidades dos criadores, mas indicou que cerca de 25% será de brasileiros. Os outros participantes da exposição serão anunciados ao longo do ano - e Esche ainda acrescentou que de todas as obras, 3 serão "surpresa" até a abertura da 31.ª Bienal, prevista para ser encerrada em 7 de dezembro.

Intitulada Como Falar de Coisas que Não Existem, a edição já ficou apelidada de "Trans Bienal". "Com a imaginação começa a transformação", afirmou Charles Esche, que também disse serem termos-chaves do projeto da mostra as ideias de coletividade e conflito. O prefixo "trans" se relaciona a trabalhos que vão trazer para a mostra questões como transcendência, "transamérica" e transsexualidade, por exemplo, explicaram os curadores. Além de Esche, integram ainda a equipe curatorial os espanhóis Nuria Enguita Mayo e Pablo Lafuente, os israelenses Galit Eilat e Oren Sagiv (este, o único não presente na coletiva de imprensa), e os curadores associados Luiza Proença e Benjamin Seroussi. Participou também do anúncio Daniela Azevedo, do projeto educativo.

Segundo o presidente da Fundação Bienal de São Paulo, Luis Terepins, a edição está orçada em R$ 24 milhões, sendo que 85% deste montante já está captado ou "acertado". O empresário também anunciou que já estão confirmadas itinerâncias da 31.ª Bienal em 2015 para seis cidades do Estado de São Paulo graças a parceria da instituição com o Sesc.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.