Bichos de Partimpim

Novo CD infantil de Adriana Calcanhotto tem Chico, Gil, Ben Jor, Caymmi e Gonzaguinha

ROBERTA PENNAFORT / RIO, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2012 | 03h07

"Na Rússia não tem salada russa/ na Grécia não tem arroz à grega/ Milão não tem bife à milanesa/na França ninguém sai à francesa". Ensinamentos de Adriana Partimpim. Quando não mais se esperava, ela apronta outra das suas, três anos depois da segunda travessura e oito da sua aparição na Música Infantil Brasileira, a qual fez crescer, lhe adicionando graça e densidade.

Presente óbvio para o Dia das Crianças, o CD, gravado em uma semana, se chama Tlês e tem duas boas novas de sua irmã mais velha, Adriana Calcanhotto: a espertinha Salada Russa da abertura, parceria com Paula Toller, e a delicada Também Vocês, com João Callado.

Esta segunda é uma das canções de ninar do CD, que recupera o Acalanto de Caymmi para Nana e que conta com a participação de Alice, a neta de Dorival em início de carreira. Do baiano tem também Tia Nastácia, composta para o Sítio do Pica-pau Amarelo da TV Globo.

"A primeira ideia era que fosse um disco de canções de ninar. A semente é essa", conta Adriana, que segue inventando com a trupe formada por Alberto Continentino, Domenico Lancellotti, Berna Ceppas e companhia, cada um criando seus arranjos, e o coro de crianças amigas.

Como nos dois CDs anteriores, ela apresenta às crianças músicas "adultas" que poderiam ter sido compostas para elas. Se os primeiros traziam o funk-balada Fico Assim Sem Você, a marchinha Lig-Lig-Lig-Lé, a Ciranda da Bailarina de Chico Buarque e o Trenzinho do Caipira, Tlês vem com O Pato, feito um clássico da bossa nova por João Gilberto, e o sem-número de passarinhos de Passaredo, outro Chico.

Os pais vão precisar do dicionário para explicar o que são "tordo, tujo, tuim". Jabuti, teiú, bem-te-vi, águia, sapo - são muitos bichos também em Criança Crionça (Cid e Augusto de Campos) e em Lindo Lago do Amor, de Gonzaguinha - o que dá ao CD uma atmosfera de fábula. Mas aqui não há lições de moral.

Há delicadeza, gatilhos para a imaginação, barulhinhos sintetizados ou orgânicos que merecem ser ouvidos em surround: desentupidor de pia emulando o canto de uma baleia em Por que os Peixes Falam Francês? (Continentino/Domenico), o chamado piston cretino fazendo o "quen quen quen quen" do Pato, os pássaros disfarçados de flauta em Passaredo.

O tê-tê-tê-rê-tê de Taj Mahal (Jorge Ben Jor) virou dê-dê-dê-dê-rê-dê; De Onde Vem o Baião (Gilberto Gil) sampleia a voz de Gonzagão. São duas faixas festivas colorindo tons menores. Não que Partimpim tenha amadurecido e ficado circunspecta. Ela encolheu, como sinaliza a capa. "O processo de encolhimento veio como reação do Dois. Eu estava maior, de algum jeito. No Tlês, por causa das canções, eu dei uma encolhida geral."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.