Biblioteca Monteiro Lobato é reaberta

A Biblioteca Monteiro Lobato, reabre neste domingo, depois de passar por uma reforma que durou 10 meses. Uma série de eventos marca a reabertura da biblioteca, como a apresentação da peça A Pílula Falante, baseada na obra de Lobato, por um grupo formado dentro da biblioteca em 1960. O grupo apresentará às 15 horas a peça. Haverá a exposição Reinações de Lobato, com ilustrações utilizadas na obra do escritor. A programação prossegue até o dia 31, incluindo apresentação de vídeos, oficinas para crianças, contadores de histórias, performances, palestras, apresentações teatrais. No dia 18, a partir das 15 horas, os jovens terão oportunidade de bater um papo com a escritora Tatiana Belinky. Com a reabertura voltam os programas de oficinas de palavras, jogos dramáticos e de RPG, leituras dramatizadas, arquivo de recortes de jornais e revistas, sala de mapas e atlas, de vídeos, fitas cassetes e discos infantis. A biblioteca ainda oferece serviços especiais, entre eles, encontro de pessoas da 3ª idade, banco de textos teatrais, ônibus bibliotecas e visitas monitoradas. A Biblioteca Monteiro Lobato foi criada em 14 de abril de 1936, sob o nome de Biblioteca Infantil Municipal, como parte de um amplo projeto de incentivo à Cultura do escritor Mário de Andrade, na época diretor do Departamento Municipal de Cultura. Ocupou, primeiramente, uma casa simples na rua Major Sertório, e oferecia às crianças: leitura, coleção de selos e moedas antigas, jogos de dama e xadrez, revistas, hora do conto, sessões de cinema e o jornal A Voz da Infância, datilografado e mimeografado pelos próprios freqüentadores. Mudou-se, então, em 1945, para um velho casarão do senador Rodolfo Miranda, à rua General Jardim, onde hoje existe a praça da biblioteca. Ao lado dessa casa (que foi, posteriormente, demolida), foi construído o prédio atual, inaugurado em 1950 e que, em 1955 recebeu o nome de Biblioteca Infanto-Juvenil Monteiro Lobato.Reinaguração da Biblioteca Infanto-Juvenil Monteiro Lobato Domingo, às 11 horas, na Rua General Jardim, 485, tel.: 256-4122

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.