BH assiste ao encontro de Beckett e Bob Wilson

Diretor se reinventa em montagem do autor irlandês

Maria Eugênia de Menezes / BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2010 | 00h00

Dias Felizes. Adriana Asti impressiona como Winnie    

 

 

 

Assistir a uma peça de Bob Wilson é como estar diante de um quadro de um pintor que conhecemos. Não se sabe exatamente por que, se pelo uso das cores ou pelo desenho das cenas. Fato é que o diretor norte-americano nos oferece um sistema de signos absolutamente reconhecíveis. E lá estavam eles em sua versão de Dias Felizes, espetáculo que teve duas apresentações no último fim de semana em Belo Horizonte, durante o Festival Internacional de Teatro Palco e Rua, e faz escala em Porto Alegre, nos próximos dias 9 e 10.

 

Criada em 2008, a peça é a primeira visita de Wilson à obra de Samuel Beckett e foi sucedida, logo na sequência, pela montagem de outro dos grandes textos do autor irlandês, A Última Gravação de Krapp. Para quem assiste a Dias Felizes, a impressão inicial é de que foi tardio o encontro entre os dois. Há muito em comum entre o diretor que inaugurou a era dos grandes encenadores nos anos 1970 e o nome máximo do teatro do absurdo. Mas tantos são os pontos de contato, que só o Bob Wilson de hoje, é razoável supor, seria capaz de conduzir tal incursão.

 

Na interpretação de Adriana Asti para Winnie, a mulher otimista que passa os dias aprisionada em uma montanha de terra, o diretor continuou a negar qualquer traço mimético nas atuações e manteve em cena laivos da mecanicidade que sempre pregou. Soube, porém, abrir espaço para que a italiana - atriz que já trabalhou com grandes do cinema como Visconti- conduzisse com brilho próprio (e raro de se ver) sua performance. O homem que baniu a conexão entre texto e cena também parece ter se reconciliado com as palavras, com a narrativa. Mas esse caminho em nada se aproxima da busca por um teatro mais convencional, como poderiam supor alguns. O que se viu em Dias Felizes foi antes a síntese de Bob Wilson, do que seu retrocesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.