Bertolucci,Coppola e as tragédias em família

Bernardo Bertolucci ou Francis Ford Coppola? Dois grandes filmes são atrações da TV paga, e no mesmo horário. Às 10 da noite, o Telecine Cult apresenta Beleza Roubada. No TCM, passa O Poderoso Chefão 3. Nenhum dos dois filmes foi particularmente bem recebido pelos críticos no lançamento. A repercussão/reputação veio depois. São magníficos.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

15 de março de 2010 | 00h00

Bertolucci havia concluído sua trilogia oriental (O Último Imperador, O Céu Que Nos Protege e O Pequeno Buda) quando voltou à Toscana, região da Itália em que nasceu, para fazer um filme de recorte mais pessoal. Liv Tyler, estreando no cinema, é a garota que chega a essa villa em que estão velhos amigos de sua mãe. A mãe morreu e Lucy - é o nome da jovem - quer descobrir quem é seu pai. O filme trata do rito de passagem - sua primeira vez é com esse garoto interpretado pelo também jovem Joseph Fiennes -, mas, na realidade, o tema não é bem este. Os homens e mulheres agora envelhecidos foram todos revolucionários em Maio de 68. Jeremy Irons vive um personagem que está morrendo de câncer. O filme é sobre outra passagem, para a morte. E Bertolucci se interroga - o que resta de nossos sonhos?

Coppola não deixa de tratar de temas próximos em O Poderoso Chefão 3. Michael Corleone, Al Pacino genial, como um velho Rei Lear, vive o fim de sua época. O império dos Corleones está mais uma vez ameaçado, por negócios escusos que envolvem a Igreja. Há uma garota, Sofia Coppola. Toda a arquitetura converge para a cena da ópera e dos assassinatos enquanto a Cavalleria Rustichana rola no palco. Os Corleones mais uma vez se vingam de seus inimigos, mas, agora, a que preço! Todos os filmes da série são tragédias familiares. Esta é a mais dolorosa. Difícil vai ser escolher qual dos dois filmes ver.

Dennis, o Pimentinha

14h15 no SBT

(Dennis the Menace). EUA, 1993. Direção de Nick Castle, com Walter Matthau, Mason Gamble, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Joan Plowright.

A primeira aventura com o capetinha das tiras de Hank Ketcham foi a única lançada nos cinemas. As outras foram diretamente para TV a cabo (e DVD). Como sempre, Dennis inferniza a vida do vizinho, o Sr. Wilson, só que aqui, para incrementar a história, o diretor Castle inventou uma subtrama na qual o garoto tem de dar uma de Kevin (de Esqueceram de Mim), enfrentando ladrão que invadiu a casa. O elenco simpático ajuda - e ninguém é melhor do que Matthau fazendo o velho rabugento.

Operação Cupido

15h35 na Globo

(The Parent Trap). EUA, 1998. Direção de Nancy Meyers, com Lindsay Lohan, Dennis Quaid, Natasha Richardson, Lisa Ann Walter, Elaine Hendrix.

Gêmeas separadas na infância encontram-se num acampamento de férias. Uma vive com a mãe, a outra com o pai. Ambas querem reaproximar a família, mas é preciso afastar antes a namorada dele, a quem chamam de "Cruela". Comédia da Disney, remake do velho êxito de um ícone juvenil dos anos 1960 - a inglesa Hayley Mills (o original chama-se O Grande Amor de Nossas Vidas). Lindsay Lohan é quem faz agora as gêmeas e a diretora é a mesma de Simplesmente Complicado, outra comédia sobre família e relacionamentos, em cartaz nos cinemas. Reprise, colorido, 128 min.

Novo no Pedaço

22 h na Rede Brasil

(The New Guy). EUA, 2002. Direção de Ed Decter, com Dj Qualls, Eliza Dushku, Zooey Deschanel.

Garoto humilhado na escola é preso e, na cadeia, encontra companheiro de cela que lhe dá lições de vida (e ensina como ser popular). Surge o novo garoto do título original, mas antigo colega pode complicar tudo. Formatada para DJ Qualls, esta comédia segue um caminho tortuoso até chegar ao destino certo (se é que chega). O que ajuda é a bela e sexy Zooey Deschanel, de 500 Dias com Ela. Reprise, colorido, 89 min.

Todas Contra John

22h35 na Globo

(John Tucker Must Die). EUA, 2006. Direção de Betty Thomas, com Jesse Metcalfe, Brittany Snow, Ashanti , Sophia Bush, Arielle Kebbel.

Jesse Metcalfe foi transformado em garanhão da vez por sua participação na série Desesperate Housewives. Imagine se Hollywood não ia arranjar um papel para ele. Aqui está: três garotas descobrem que levaram o fora do mesmo cara, Metcalfe, e resolvem ir à forra contra ele. Te cuida, cara. A diretora Betty Thomas começou como atriz. Seu currículo atrás das câmeras não é dos melhores - O Rei da Baixaria, Dr. Dolittle, etc. Reprise, colorido, 89 min.

Depois Daquele Baile

2h25 na Globo

Brasil, 2006. Direção de Roberto Bomtempo, com Lima Duarte, Irene Ravache, Marcos Caruso, Ingrid Guimarães, Chico Pelucio, Regina Sampaio.

Dois coroas, Lima Duarte e Paulo Caruso, disputam as atenções da dona de pensão Irene Ravache. Com qual dos dois ela vai ficar? O ator e agora diretor Bomtempo baseou-se na peça de Rogério Falabella para fazer este filme que tinha tudo para dar certo, pelo menos em termos de bilheteria. História humana, grandes nomes da TV, humor. O resultado ficou aquém da expectativa. Curiosamente, no exterior, o cartaz da Globo ganhou alguma repercussão: foi melhor filme da crítica no Festival do Cinema Brasileiro de Miami e melhor do júri popular em NY. Reprise, colorido, 108 min.

Dupla Traição

3h50 na Rede Brasil

(Spy). EUA, 1989. Direção de Philip F. Messina, com Bruce Greenwood, Jameson Parker, Ned Beatty.

Há outro filme com o mesmo título brasileiro, um thriller com Michael Madsen e Jennifer Tilly. Este é sobre espião que resolve abandonar a profissão, faz plástica e muda de identidade, mas ainda assim vira alvo de caçada humana. Não espere grande coisa deste telefilme. O diretor Messina é fraquinho... Reprise, colorido, 95 min.

Amanhã

Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre - Três Formas de Amar, de Andrew Fleming, com Stephen Baldwin, Lara e Flynn Boyle, sobre triângulo amoroso de estudantes; uma garota e um rapaz desejam o mesmo colega (EUA, 1994, fone 0800-70-9011); e Corrida Contra o Destino, de Charles Robert Carner, com Viggo Mortensen, Jason Priestley, Christine Elise, Steve Railsback, remake do cultuado filme de estrada do começo dos anos 1970, sobre cara que cai na estrada, é perseguido pela polícia e monitorado por um DJ; o original era tão bom, por que transformá-lo nesta correria anódina? (EUA, 1997, fone 0800-70-9012).

TV PAGA

Sábata, O Homem Que Veio para Matar

20 h no Telecine Cult

(Sabata). Itália/Espanha, 1969. Direção de Frank Kramer, com Lee Van Cleef, William Berger, Pedro Sanchez.

Sábata é um dos personagens míticos do spaghetti western, com Django, Ringo e Sartana, entre outros. Como bounty killer, assassino contratado para matar, ele é o anti-herói que coloca em xeque a lei e a ordem. Aqui, cidadãos respeitáveis o contratam para roubar US$ 100 mil. O diretor Kramer, pseudônimo de Gianfranco Parolini, tem seus defensores e o ator Lee Van Cleef é bom, com seu permanente sorriso de escárnio. Reprise, colorido, 95 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.