'Belle Époque na Garoa' revela influência francesa em SP

Boa parte da identidade cultural da cidade de São Paulo foi fortemente influenciada pela Belle Époque francesa, desde os anos de 1880 até sua derrocada em meados dos anos 1900. Para contar essa influência, que inclui ainda cerca de 100 ilustrações, a Fundação Energia e Saneamento lança amanhã, 30, o livro "Belle Époque na Garoa - São Paulo entre a tradição e a modernidade". A obra, escrita pela historiadora Márcia Camargos, doutora em história pela USP, descreve como a capital paulistana se apropriou do legado europeu da bela época e ganhou nova identidade, superando a herança colonial para colocar em cena o desenvolvimento e a efervescência cultural.

AE, Agência Estado

29 de novembro de 2013 | 13h22

Estruturado em seis capítulos, o livro retrata a cidade de São Paulo no período em que ela transitava da tradição para a modernidade, apropriando-se do contexto europeu da bela época francesa e ofuscando os traços da herança colonial. O terceiro capítulo da obra, intitulado "A Força da Luz", mostra como a iluminação pública irá alterar a relação da população com a noite, propiciando a cena cultural tão característica da época. Nesse período de influência da bela época francesa é que despontam dois símbolos que se tornarão marco da nova identidade da cidade: a Avenida Paulista e o Teatro Municipal.

Tudo o que sabemos sobre:
literaturaBelle Époque na Garoa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.